Presos seis acusados de fraudar dados do Detran.

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 04/11/2016 às 08:41:00

Gabriel Damásio

 

A Polícia Civil deflagrou a “Operação Fim de Linha”, para investigar denúncias de fraudes contra o sistema de dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).Durante a última quarta-feira e até o início da manhã de ontem, 23 policiaisdo Departamento de Combate aos Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap) fizeram diligências para cumprir seis mandados de prisão e outras ordens de busca e apreensão, concentrando-se em algumas salas da sede do órgão, no bairro Jabotiana (zona oeste de Aracaju). Entre os acusados, que tiveram as prisõesdecretadas pela Justiça, estão um cabo da Polícia Militar e duas servidoras que trabalhavam no Setor de Protocolo do próprio Detran.

O esquema foi apurado a partir de investigações internas feitas pela diretoria do órgão, a partir de dados levantados pelo Setor de Tecnologia. De acordo com o coronel Luiz Azevedo Costa Neto, atual presidente do Detran, ele consistia na retirada ilegal de multas e de pontuações em Carteiras Nacionais de Habilitação (CNHs), através do acesso ao sistema. “Com base nas informações que chegaram ao nosso conhecimento, no mês de agosto, de que havia algum tipo de fraude neste determinado setor, nós começamos a buscar relatórios do que era feito naquele setor e conseguimos identificar algumas incongruências, tanto em multas quanto em outros exames”, disse ele, confirmando ainda que vários computadores e documentos foram recolhidos nas salas ligadas ao Protocolo.

As investigações do Deotap apuraram que vários procedimentos irregulares foram realizados, como cancelamento de autos de infração; retiradas de pontuação da CNH e de valores relacionados a multas, entre outras operações também relacionadas a veículos. A fraude envolvia ainda a marcação de exames para agendamento de provas. Segundo a polícia, tudo era realizado pelas servidoras que trabalhavam no Protocolo, mas utilizavam a senha de outros profissionais que possuíam acesso aos procedimentos citados no sistema.A expectativa é de que o material apreendido seja submetido a uma perícia do Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro (Lab-LD), ligado ao Deotap, a fim de saber como aconteciam tais fraudes e qual a extensão do prejuízo provocado por elas.

“Com base em todos esses computadores que nos repassamos para a Polícia Civil e nos documentos que já estão acostados nesse processo, vai ser possível identificar o fluxograma de como funcionava a quadrilha, como foi feito o processo e qual a influência desses dois servidores do Detran nesse processo”, informou Azevedo. Ele acrescenta que, além de pedir a participação do Deotap nas investigações, determinou a abertura de um processo administrativo para apurar a conduta das servidoras presas e de outros funcionários do órgão que possam estar envolvidos nas fraudes. Se as denúncias ficarem comprovadas, os funcionários investigados podem ser demitidos do serviço público.

Os seis presos da ‘Fim de Linha’ foram levados para a sede do Deotap, no Centro, e interrogados durante todo o dia. Outros mandados de prisão contra mais acusados de ligação com o esquema teriam sido concedidos a pedido da Polícia Civil, mas os detalhes da investigação só serão revelados hoje, às 8h, em entrevista coletiva na sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP). Durante as buscas na sede do Detran, enquanto os policiais lá estavam, a imprensa aguardou por informações da delegada Danielle Garcia, diretora do Deotap, mas ela disse que, “para não atrapalhar as investigações”, falaria apenas na coletiva de hoje e pediu “um pouco de paciência” aos jornalistas.