Despesas de Sergipe com segurança subiram em 5,8%

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/11/2016 às 09:30:00

O crescimento da criminalidade em Sergipe, principalmente dos homicídios e assaltos à mão armada, forçou o governo Jackson Barreto (PMDB) a aumentar os gastos públicos com a segurança no Estado. É o que mostram novos dados do 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, cuja íntegra foi divulgada na última quinta-feira. É a mesma pesquisa que apontou Sergipe como o mais violento do país em número de homicídios. Os dados financeiros se referem ao período entre 2014 e 2015 e foram levantados em todo o paíspelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), a partir de informações do Tesouro Nacional e das secretarias estaduais de Fazenda.

Apurou-se que o aumento nas despesas totais do governo estadual com a área de segurança foi de 5,8% no período. Em 2015, elas somaram mais de R$ 784 milhões, contra o total de R$ 740,9 milhões gastos em 2014. Se estas quantias forem divididas pelo total de habitantes do Estado, conforme as projeções atualizadas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), elas representam um gasto per capita de R$ 349,58 no ano passado, contra R$ 333,83 no retrasado. Já na comparação com o total de despesas feitas pelo Estado, os gastos equivalem a 11,5% do orçamento de 2015, contra 10% do de 2014.

A alta foi puxada pelas despesas com policiamento, que foram de R$ 368,1 milhões para R$ 405,4 milhões, representando uma variação de 10,1%. Em seguida, vêm as despesas com as chamadas “Demais Subfunções”, incluindo a perícia criminal e outras atividades da segurança pública. Entre 2014 e 2015, elas subiram de R$ 351,1 milhões para R$ 320,1 milhões. Já o valor reservado para ações de Defesa Civil foram de R$ 57,5 milhões para R$ 58,5 milhões. Nos dois itens, a variação foi de 1,6% cada. Os valores investidos na área de inteligência e informação policial, citados por outros estados na pesquisa, não foram informados por Sergipe.

O Anuário fez ainda uma relação entre as despesas com a segurança pública e as taxas de homicídio. E apontou que os gastos não vêm surtindo efeito. Enquanto os gastos governamentais aumentaram em 5,8%, as mortes violentas aumentaram em 18,5%, com a taxa de casos por 100 mil pessoas indo de 45,0 para 57,3 no período estudado.  

O Palácio de Despachos não contesta os dados do 10º Anuário e planeja medidas efetivas para reduzir os homicídios e a criminalidade em geral. Uma delas é a definição de um cronograma para convocar os excedentes dos concursos das polícias Civil e Militar, realizados em 2015. A previsão é de que mais de 600 novos policiais sejam contratados a partir de janeiro. Outra ideia é melhorar a Gratificação de Atividade Extraordinária (Grae) para aumentar as atividades de policiamento e investigação em locais com o maior número de ocorrência. Tais medidas surgiram de uma reunião realizada nesta quinta entre Jackson Barreto e a cúpula da Secretaria da Segurança Pública (SSP). (Gabriel Damásio)

 

Vinculada

OS GASTOS COM SEGURANÇA EM SERGIPE

 

TIPO DE DESPESA

2014(em R$)

2015(em R$)

Variação (em %)

Policiamento    

368.191.071,21

405.440.009,52

10,1

Defesa Civil

57.584.209,12

58.506.856,45

1,6

Informação e Inteligência

Não informado

Não informado

Não informado

Demais subfunções

315.178.576,16 

320.140.881,02               

1,6

Total

740.953.856,49

784.087.746,99

5,8

 

Fonte: Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP)