Polícia prende 26 acusados de ligação com tráfico de drogas.

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/11/2016 às 00:03:00

Gabriel Damásio

 

As polícias Civil e Militar deflagraram na manhã de ontem a ‘Operação Onça Pintada’, com o objetivo de combater uma quadrilha de traficantes baseada na Invasão do Pantanal, bairro Inácio Barbosa (zona sul de Aracaju). Cerca de 100 homens das duas polícias foram mobilizados para cumprir 32 mandados de prisão preventiva e temporária, expedidos pela Justiça sergipana. Até o fim da tarde de ontem, 26 pessoas investigadas na operação foram presas em Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, Barra dos Coqueiros e Itaporanga D’Ajuda. Houve também prisões fora do estado, nas cidades de Arapiraca (AL) e São Paulo (SP). A investigação, que durou cerca de cinco meses, foi comandada pelo Departamento de Narcóticos (Denarc), com apoio do Comando de Operações Especiais (COE).

Segundo as primeiras operações oficiais, o grupo investigado era um dos principais fornecedores de drogas da capital sergipana e atuava principalmente no Inácio Barbosa, mas atendendo também a quadrilhas de outras comunidades. O nome ‘Onça Pintada’, foi uma referência um dos grandes animais predadores da fauna brasileira, cuja espécie de felinos e sua espécie é a maior das Américas. A onça é considerada um símbolo do Pantanal Mato-grossense, local que também dá nome à invasão do bairro Inácio Barbosa, onde morava a maior parte dos integrantes da quadrilha investigada.

A polícia afirma que os integrantes do grupo formavam uma complexa rede que envolvia a cobrança de valores e a guarda e aluguel de armas de fogo para outros criminosos, além do armazenamento, transporte e distribuição de maconha, cocaína e crack. As drogas seriam despachadas de São Paulo para revenda em Aracaju e em Arapiraca, onde foi preso o líder da quadrilha. Todos os presos foram levados para a sede da Academia de Polícia Civil (Acadepol), no Capucho, que serviu de base para os trabalhos da operação.

Ontem, o delegado-geral da Polícia Civil, Alessandro Vieira, disse que a ‘Onça Pintada’ faz parte de uma estratégia da SSP para identificar e desbaratar as grandes quadrilhas responsáveis pelo tráfico de drogas e por parte dos homicídios ocorridos em todo o estado. “Se trata de uma consequência de um planejamento da Secretaria da Segurança Pública. Quando nós começamos o trabalho aqui, definimos linhas e estratégias, dentre elas, a linha da integração forte com a Polícia Militar, especialmente na investigação contra o tráfico de drogas. A investigação do Denarc se iniciou com o trabalho do núcleo de inteligência do COE e, durante todos esses meses de investigação, esse processo resultou em várias prisões e apreensões de entorpecentes”, disse Alessandro.

Além dos suspeitos, os policiais apreenderam dezenas de armas, carros, quantias em dinheiro, aparelhos eletrônicos e outros bens, além de uma expressiva quantidade de drogas. O delegado-geral estima que as equipes policiais conseguiram recolher pouco mais de 400 quilos de entorpecentes nas casas dos investigados e outros locais onde eles se encontravam. Os detalhes da investigação sobre a quadrilha só serão revelados na manhã de hoje, em entrevista coletiva na sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), no São José (zona centro de Aracaju).