Nova execução em Laranjeiras deixa um morto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/11/2016 às 00:08:00

Gabriel Damásio

 

Mais oito assassinatos foram registrados pela polícia em todo o Estado, durante o feriado da Proclamação da República. Entre os crimes de maior destaque, está o ataque a tiros contra dois rapazes de 18 anos que tinham voltado de um culto evangélico na periferia de Laranjeiras (Vale do Cotinguiba), por volta das 21h de terça. Um dos atingidos, identificado pelo Instituto Médico Legal (IML) como Everton Bispo Alves, morreu no local, enquanto o outro, de prenome Cássio Felipe, foilevado ao Hospital São João de Deus, no centro da cidade, e transferido em estado grave para o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), em Aracaju, onde passou por cirurgia e permanecia em observação até a noite de ontem.

De acordo com testemunhas, os rapazes voltaram do culto por volta das 18h e, após o jantar, sentaram-se com um grupo de amigas na porta da casa de Everton, junto à Praça Lucas Modesto, bairro Comandaroba. Eles ficaram conversando até a chegada de um carro não identificado que parou em frente à residência. Quatro homens armados desceram do veículo e começaram a atirar, após fazerem uma pergunta aos gritos. Todos ficaram amedrontados com a violência da abordagem. Após os disparos, os criminosos fugiram. Everton morreu enquanto era socorrido.

O corpo do jovem foi velado na própria igreja que frequentava, a Comunidade Evangélica Fogo Restaurador, situada a poucos metros de casa. Entre os amigos e familiares, Everton é descrito como um rapaz bom e pacífico, que não tinha envolvimento com brigas, crimes ou confusões. “Eu tô pedindo justiça. Não podiam fazer isso com o meu filho. Ele não fazia maldade com ninguém”, desabafou a mãe da vítima, ao ver o caixão ser levado para o cemitério local. Os fiéis da igreja pretendem fazer, nos próximos dias, uma manifestação pacífica pelas ruas de Laranjeiras, que terá um cunho religioso, mas irá cobrar punição aos bandidos e mais segurança para a cidade.

Esta foi a segunda execução ocorrida em Laranjeiras nos últimos três dias. Na madrugada de sábado, outros quatro rapazes foram mortos com tiros de pistola na praça principal da cidade, em frente à sede da prefeitura. De acordo com a polícia, testemunhas também descreveram a presença de quatro homens em um carro, sendo que dois deles desceram encapuzados e executaram as vítimas no meio da praça. Os corpos deLuiz Felipe da Silva Santos, 22, André Andrade de Araújo, 23, Fabrício dos Santos, 19, e Pedro Paulo dos Santos, 28, foram enterrados na tarde do mesmo dia, sob intensa comoção dos moradores da cidade, impressionados com a violência do crime.

Os dois crimes são investigados pela Delegacia de Laranjeiras, que não descartou nenhuma hipótese quanto aos motivos das mortes. As mais prováveis apontam para uma disputa entre grupos rivais ou mesmo a ação de um suposto grupo de extermínio.

 

Tio e sobrinho – Outro crime que ganhou destaque foi o duplo homicídio ocorrido na mesma noite, em frente a um ferro-velho na Rodovia da Indústria, povoado Taiçoca de Fora, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Cinco bandidos chegaram à pé na residência da frente do ferro-velho, onde acontecia uma reunião de família, e invadiram a casa fortemente armados. O dono do estabelecimento, conhecido como ‘Zé Augusto’, foi atingido na cabeça por um tiro de escopeta calibre 12, que o matou na hora. Já o sobrinho dele, um adolescente de 15 anos, foi morto da mesma forma.

Os criminosos fugiram levando um carro pertencente ao comerciante, seguindo por uma estrada de terra. Uma equipe da Polícia Militar que fazia patrulhas na região viu a fuga dos bandidos e perseguiu-os por alguns metros, chegando a trocar tiros com eles durante a fuga. No entanto, os matadores conseguiram abandonar o veículo e fugir por um matagal. A escopeta usada no crime foi encontrada no local e apreendida. Os corpos das vítimas foram sepultados ontem e os familiares, chocados, não conseguem entender o motivo do crime. O Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) já começou a investigar o caso.