Oncologia do Huse realizou quase 500 sessões de radioterapia em novembro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/11/2016 às 00:23:00

Atenção, carinho e humanização. Esses são alguns dos pilares do Centro de Oncologia Dr Oswaldo Leite, no Hospital de Urgências de Sergipe (Huse). O cuidado e a dedicação dos profissionais são refletidos no semblante de cada paciente, que diariamente tem a assistência garantida.

Para se ter uma ideia da grandiosidade dos trabalhos realizados, somente no mês de outubro, foram realizadas 2.714 consultas ambulatoriais, 1.171 sessões de quimioterapia (1.042 em adultos e 129 em crianças) e 978 de radioterapia (com 101 pessoas que iniciaram as consultas pela primeira vez). Além disso, foram 19 sessões de braquiterapia.

Na primeira quinzena do mês de novembro não foi diferente. Foram 1.218 consultas ambulatoriais e 707 sessões de quimioterapia (631 em adultos e 76 pediátricos), 435 sessões de radioterapia (com 44 pacientes iniciando as consultas pela primeira vez) e 04 sessões de braquiterapia.

“Diariamente acompanhamos todo fluxo para que o usuário do SUS tenha a sua necessidade atendida. No Huse, realizamos uma média mensal de 240 sessões de radioterapia, 350 de quimioterapia e 600 consultas”, explica a secretária de Estado da Saúde, Conceição Mendonça, enfatizando o trabalho permanente do setor de radioterapia e os protocolos estabelecidos.

“O acelerador linear do Huse funciona dentro da normalidade, atendendo dois turnos e realizando manutenções preventivas. Não podemos esquecer da implantação do Protocolo Estadual de Quimioterapia Antineoplásica, lançado este ano, voltado para a oncologia clínica, pediátrica e hematologia. O documento, criado com a parceria da Sociedade Sergipana de Cancerologia, preconiza a uniformização do tratamento de câncer. Ele estabelece estabelece a padronização e a otimização dos medicamentos oncológicos”, complementa Conceição Mendonça.

A dona de casa Josefa Maria Paula, 47, é uma das pacientes do Centro de Oncologia do Huse. Ela conta que descobriu um pequeno nódulo na mama e pediu orientação a uma amiga, que lhe aconselhou procurar um médico. E não pensou duas vezes. No mês de julho deste ano, foi diagnosticada com câncer de mama.

“Foi um choque muito grande quando descobri aquele nódulo. Mas Deus foi tão maravilhoso que, ao identificar na fase inicial, logo comecei o tratamento. São 16 sessões de quimioterapia. Estou fazendo certinho e já apresento bons resultados. O nódulo já diminuiu e até o final do tratamento estarei curada”, afirmou a dona de casa.

Para a coordenadora do Centro de Oncologia, Meire Jane Oliveira, todos os procedimentos são realizados de forma individualizada. “Nossa missão é promover o acolhimento da melhor maneira possível. Sabemos o quando é difícil para cada paciente e familiar. Mas, aqui, o amor é também o maior remédio. Obedecemos todos os protocolos relacionados à fase e o tipo da doença”, comentou. 

O aposentado José Ailton do Nascimento, 55, é morador de Lagarto e conta que o resultado de uma biópsia diagnosticou um câncer. Ele está em tratamento clínico no Huse e, agora, iniciará as 12 sessões de quimioterapia.

“Desde descoberta da doença ao início das sessões, tudo foi muito rápido. O tratamento está excelente. Não tenho o que reclamar. Aqui na Oncologia tenho tudo o que preciso. Desde o primeiro dia que cheguei sou muito bem tratado. Nada atrapalhou meu tratamento. Vou ficar curado, em nome de Jesus”, disse.