Entidades celebram Dia da Consciência Negra neste domingo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/11/2016 às 00:15:00

Através da Coordenação de Promoção da Igualdade Racial (Coppir), a Secretaria de Estado da Mulher, Inclusão e Assistência Social, do Trabalho e dos Direitos Humanos (Seidh) participa, neste domingo, 20 - Dia da Consciência Negra -, do “Sergipe Negro”, evento realizado em parceria com o Fórum Sergipano das Religiões de Matriz Africana e diversas entidades do Movimento Negro. A data é celebrada em 20 de novembro, por marcar o dia da morte de Zumbi dos Palmares, um dos maiores símbolos de resistência e luta contra a escravidão.

A partir das 15h, sob a ponte Aracaju-Barra, no Bairro Industrial, o evento promoverá uma série de debates, acerca da Implantação da Lei 10.639/03 [que dispõe sobre a obrigatoriedade da inclusão, no currículo oficial da Rede de Ensino, da temática "História e Cultura Afro-Brasileira"]; contra a intolerância religiosa; contra o genocídio da juventude negra; sobre a violência contra a mulher negra; e pela valorização da cultura negra. Em seguida, uma grande festa será realizada, com shows de artistas sergipanos ligados ao movimento. Passarão pelo palco as bandas Quilombo, Reação, Lu Lion Reggae, Afoxelada e Nação Hip Hop.

No próximo dia 25, a programação tem continuidade, com a entrega do Prêmio Manadeuí, que homenageará personalidades sergipanas que contribuíram com a luta do Movimento Negro. Na ocasião, também haverá o lançamento oficial da II Caminhada para Oxalá, que tem por objetivo combater a intolerância religiosa, assim como toda e qualquer forma de preconceito ou discriminação, e fomentar a construção de políticas públicas para as comunidades tradicionais.

De acordo com o coordenador da Coppir/Seidh, Eude Ferreira, todas essas iniciativas têm a importância de despertar a atenção e levantar discussões sobre políticas afirmativas.  “Precisamos colocar em evidência a questão das etnias, questões raciais, de discriminação, preconceito e toda essa luta em defesa dos excluídos, em defesa da mulher negra, das pessoas LGBTs, etc. O Governo de Sergipe apoia esse evento, portanto, em busca da inclusão dessa população historicamente discriminada”, pontua.

Ainda segundo Eude, o recurso para realização dos eventos foi viabilizado pela Coppir junto à Fundação Cultural Palmares, instituição do Governo Federal voltada para promoção e preservação da arte e da cultura afro-brasileira. “Percebemos a importância de fazer essa articulação para que esse evento cultural acontecesse, apoiando o artista da terra, enriquecendo a nossa cultura e o cabedal de conhecimento daqueles que fazem parte desse contexto - e, principalmente daqueles que ainda não fazem, mas irão participar e saber que existe uma grande luta em busca de uma sociedade mais justa e igualitária”, finalizou.


Primeira Comenda Abdias Nascimento será entregue a Severo D'acelino

 

A Assembleia Legislativa de Sergipe irá homenagear um militante histórico do movimento negro de Sergipe, Severo D'acelino, concedendo-lhe a primeira Comenda Senador Abdias Nascimento. A solenidade acontece no próximo dia 22, terça-feira, às 11h, no plenário da Assembleia Legislativa de Sergipe. A Comenda Senador Abdias Nascimento foi oficialmente criada em novembro do ano passado por meio da Resolução 01/2015, de autoria da deputada estadual Ana Lúcia.

“A outorga é uma honraria do Poder Legislativo Estadual cujo objetivo é homenagear pessoas que se dedicaram à luta contra o preconceito racial em Sergipe, como forma de prestar reconhecimento e incentivar a defesa dos direitos da população negra no Estado e a promoção da cultura afro-brasileira”, explica a deputada estadual Ana Lúcia.

Além de proeminente militante do movimento negro e ativista dos direitos civis, Severo é fundador do Movimento Negro contemporâneo de Sergipe, Bahia e Alagoas. Artista engajado, D'acelino utilizou, ao longo das últimas décadas, as mais diversas linguagens artísticas para promover a cultura afro-brasileira e ajudar a romper os paradigmas do preconceito racial. É Poeta, Dramaturgo, Ator, Compositor, Contista, Pesquisador Conferencista, Coreógrafo, além de ser fundador e Coordenador Geral da Casa de Cultura Afro Sergipana.