Jovem é preso após criar confusão e se passar por sobrinho de secretário

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/11/2016 às 00:28:00

Um jovem identificado como Ivã Soares Santos Filho, 31 anos, foi preso em flagrante pela Polícia Militar na madrugada deste domingo, acusado por corrupção ativa e perturbação do sossego alheio. Segundo a corporação, ele teria perturbado frequentadores de um bar no bairro Inácio Barbosa (zona sul da capital), usando o som de seu carro em volume máximo. A abordagem dos policiais foi seguida de uma confusão: o jovem agrediu verbalmente os gerentes do estabelecimento e teria jogado notas de dinheiro no peito dos policiais.

Um auto de prisão em flagrante foi feito contra Ivã, que incomodava frequentadores do estabelecimento comercial. "Ele incomodava clientes e a vizinhança, próximo a um bar na região do conjunto Beira Rio, com um som automotivo muito alto. Identificou-se para os gerentes do bar como juiz federal e parente do secretário João Batista. Ainda, disse que tinha uma escopeta no interior do carro", relatou uma testemunha no boletim de ocorrência.

Ivã, ao ser abordado pela PM, alegou ser sobrinho do secretário da Segurança Pública, João Batista Santos Júnior, e ainda disse aos policiais que seria juiz federal.

Ainda segundo o registro da ocorrência, os PMs foram recebidos com arrogância pelo jovem, que foi devidamente abordado. Ao solicitar que baixasse o som do carro, ele relutou. Logo depois, para não ser conduzido à Delegacia, ofereceu dinheiro aos policiais, caracterizando a corrupção ativa. Ele ainda jogou cédulas de dinheiro no peito dos policiais. De imediato, os policiais perceberam que as informações declaradas por Ivan, sobre ser juiz federal e parente do secretário, eram falsas.

Conduzido à Delegacia Plantonista, todo o procedimento foi feito pelo delegado Leógenes Bispo, que autuou Ivã por perturbação de sossego alheio e corrupção ativa. Em audiência de custódia, logo no início da manhã, o juiz afiançou o valor de R$ 5 mil. Ele foi liberado, após o pagamento da fiança, e responderá o processo na Justiça. (com SSP)