Manifestantes protestam e invadem Câmara de Vereadores

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/11/2016 às 00:00:00

Milton Alves Júnior

 

Centrais sindicais realizaram durante a manhã de ontem uma série de protestos contrários à Proposta de Emenda Constitucional (PEC 55), que visa congelar até o ano de 2036 os repasses para serviços públicos essenciais como a saúde, segurança e educação. A mobilização teve início por volta das 6h, na entrada principal do Tecarmo, localizado na Zona de Expansão, em Aracaju, onde contou com a participação de profissionais das mais diversas áreas e atuações, servidores públicos aposentados, líderes de ocupações da luta por moradia, movimento de desempregados, além de grêmios estudantis e centros acadêmicos. O movimento unificado foi realizado em Sergipe e mais 23 estados brasileiros.

A preocupação dos manifestantes envolve a tendência política adotada por parte dos parlamentares sergipanos atuantes no Congresso Nacional. Durante análise e votação na Câmara dos Deputados realizada no mês passado, cinco dos oito deputados federais votaram à favor da PEC; foram eles: Adelson Barreto (PR); André Moura (PSC); Fábio Mitidieri (PSD); Fábio Reis (PMDB); e Laércio Oliveira (Solidariedade); outros dois deputados votaram contra a proposta: Bosco Costa (Pros) e João Daniel (PT); Jony Marcos (PRB) se absteve da votação. Diante da conjuntura política aparentemente desfavorável ao ideal dos manifestantes, os grupos prometem intensificar os atos de pressão democrática junto aos senadores até o dia de embarque para Brasília.

Ao Jornal do Dia, o presidente da Centra Única dos Trabalhadores de Sergipe (CUT/SE), Rubens Marques, informou que na próxima semana as centrais voltarão a se reunir para acompanhar a votação. O local e horário ainda não foram divulgados pela coordenação do movimento, mas o presidente já antecipa o desejo e a perspectiva de reunir milhares de sergipanos contrários à PEC. “Esperamos por volta de cinco mil trabalhadores para lutar contra as reformas que atacam as classes trabalhadoras. Não podemos aceitar que este governo ilegítimo permaneça trabalhando para tirar os benefícios que foram conquistados depois de muita luta pelos brasileiros. Os senadores eleitos em nosso estado devem votar de acordo com os interesses do povo”, avaliou.

Durante o ato de ontem ficou evidente que os manifestantes se apegam ao parecer apresentado este mês pela Procuradoria Geral da República, a qual avaliou a Proposta de Emenda à Constituição 55 como uma manobra inconstitucional. No entendimento da Secretaria de Relações Institucionais da PGR, a proposta enviada por Temer ‘ofende a independência e a autonomia dos poderes Legislativo e Judiciário e do Ministério Público’. “Não podemos aceitar que essa articulação revoltante seja aprovada pelos senadores. Vamos lutar até que essa PEC lamentável seja derrubada. Os senadores sabem como o povo sergipano deseja que eles votem, espero que sejam conscientes e defendam os interesses da população, e não do presidente da república”, pontuou Marques.

Ocupação – De forma paralela dezenas de integrantes de movimentos sociais invadiram a Câmara Municipal de Aracaju para reivindicar o apoio dos vereadores. De acordo com os líderes do ato, fica evidente o bom relacionamento que muitos parlamentares da capital sergipana possuem com os senadores. Na avaliação feita por Elinos Sabino, diretor da Central Sindical e Popular (Conlutas), a mobilização deve ser coletiva e seguir por tempo indeterminado. Ele ressaltou que o grupo possui ampla lista de assuntos a serem debatidos com os vereadores, mas pede atenção às mudanças propostas pelo Governo Federal.

"Parece que os deputados estão legislando para os interesses pessoais, não pensam nas famílias com baixa renda. Estamos aqui para pedir o apoio dos vereadores para ajudar a barrar essa PEC e também exigir do governo estadual que cumpra com as promessas que foram feitas. Sofremos aqui com a assistência social e combate à pobreza, e sofremos com Temer que parece só pensar na burguesia. Precisamos do apoio de todos, inclusive dos vereadores", reivindicou.