Homem que estava foragido há 24 anos é preso em Estância

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/11/2016 às 00:04:00

Um assassinato ocorrido há 24 anos voltou ao conhecimento do público com a prisão de seu principal acusado. Na manhã da última quinta-feira, policiais civis lotados na Delegacia de Santa Luzia do Itanhy (Sul) prenderam o aposentado Raimundo Luiz dos Santos, 69 anos, acusado pela morte do agricultor Domingos José de Santana. O crime aconteceu na tarde do dia 28 de novembro de 1992, no povoado Botequim, em Santa Luzia. Raimundo era considerado foragido da Justiça sergipana desde maio de 1999, quando foi pronunciado como réu e teve a sua prisão preventiva decretada, mas nunca tinha sido localizado ao longo destes anos.

Segundo o delegado Wanderson Bastos, O motivo do crime foi uma disputa de terra que havia entre a vítima e o mandante do crime. Ao prestar depoimento pela primeira vez desde o dia do crime, Raimundo confessou que realmente matou Domingos e afirmou que fez isso simplesmente porque a vítima procurava a Justiça para reaver lotes de terra que também eram reivindicados por Maria da Conceição, a ‘Cota’, com quem o acusado mantinha um relacionamento amoroso à época. O inquérito relata que, enquanto a vítima trabalhava em sua propriedade rural, o acusado chegou sorrateiramente e, usando uma espingarda, disparou contra Domingos. Enquanto atirava, o assassino gritava para a vítima: “Você vai tomar mesmo as terras de Cota?”.

O processo judicial estava suspenso desde agosto de 2009, pois Raimundo não tinha sido localizado, mas a ordem de prisão só prescreveria em 2039. O delegado de Santa Luzia relata que a localização de Raimundo e o longo tempo de espera e buscas foram um grande desafio enfrentado pela polícia. “Localizar Raimundo Luiz foi bastante trabalhoso. Afinal, não se trata de um criminoso que estava foragido há 24 dias ou há 24 meses, mas há 24 anos. É quase um quarto de século. A rigor, foi preciso desenvolver algumas atividades de campo e de inteligência policial para saber onde ele estaria se escondendo", aponta Bastos, explicando que, para capturar o foragido, foi necessário montar uma campana e esperar por mais de cinco horas, a partir do mapeamento da rotina dele.

“Primeiro, descobrimos que ele seria proprietário de uma motocicleta e que teria renovado muito recentemente sua CNH. De posse disso, obtivemos uma foto atualizada do infrator e fizemos incursões em pelo menos uns dez povoados da região, onde ele poderia estar residindo. Sucede que todos os endereços que Raimundo fornecia a órgãos públicos eram falsos. Desse modo, levantamos que o acusado estava recebendo um dado benefício social. Assim, pesquisamos o local em que ele fazia os saques mensalmente, sendo que o próximo saque seria no dia 24 de novembro de 2016, em Estância. Portanto, ficamos de campana desde as 5h. Quando o acusado chegou para receber o dinheiro, por volta das 11h, nós lhe demos voz de prisão”, relata o delegado.

O foragido foi apresentado ao Fórum de Santa Luzia minutos após a prisão. Ele pediu a nomeação de um defensor, alegando que, por ser aposentado, não tem recursos para contratar um advogado. Um profissional dativo foi nomeado pelo juiz da Comarca, Ricardo Santana, e deve fazer a defesa do réu no júri popular, que ainda não foi marcado. Boa parte das peças do processo ainda foram redigidas em máquinas de escrever e passaram por um processo de digitalização, que foi concluído há duas semanas. O processo deve ser reaberto após a definição de quem será o advogado de defesa de Raimundo. (com SSP)