Mais de 3 mil vítimas de quedas atendidas este ano

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 30/11/2016 às 00:23:00

O vigilante José Wilson Alves de Carvalho, 44 anos, precisou se deslocar até a cidade baiana de Paripiranga, na divisa com Sergipe. Há cerca de um mês, ele havia sido assaltado e sua motocicleta levada. Informado sobre a localização e apreensão do veículo no município baiano, enquanto José Wilson se deslocava a Paripiranga, lamentavelmente se envolveu em um acidente.

“Saí com a moto emprestada e, de repente, senti uma cãibra. Perdi o controle do veículo que acabou caindo sobre a minha perna, fraturando-a”, conta o vigilante, que está internado em uma das enfermarias cirúrgicas do Hospital Regional Monsenhor João Batista de Carvalho Daltro (HRL), em Lagarto, na região Centro-Sul do Estado.

No acidente, José Wilson acabou sofrendo uma fratura na perna esquerda. Ele foi atendido pelo Serviço de Ortopedia da unidade, submeteu-se a vários exames como Raio-X e hemograma e agora aguarda por uma cirurgia.

“Em comparação a outros hospitais que conheço, onde muitas vezes o paciente fica abandonado por dois a três dias em um corredor, o atendimento daqui do Hospital de Lagarto é ótimo, desde o médico ao técnico de enfermagem, como também a alimentação”, reconhece o vigilante.

 

Quedas e acidentes - Responsáveis por um grande número de pacientes que acabam lotando as urgências e emergências hospitalares em todo o país, as quedas, como da própria altura, de telhados, camas, escadas, dentre outros tipos, e os acidentes motociclísticos continuam sendo a causa do atendimento diário a muitos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) na urgência e emergência do Hospital Regional de Lagarto, como no caso do vigilante José Wilson.

De acordo com os relatórios de produção da unidade e os registros no Sistema Integrado de Informatização do Ambiente Hospitalar (Hospub), do Ministério da Saúde, somente de janeiro a outubro deste ano, o HRL já atendeu quase 3.100 pacientes que sofreram algum tipo de queda.

Em relação à violência no trânsito, o hospital já assistiu, no mesmo período, 2.153 vítimas de acidentes automobilísticos, motociclísticos e atropelamento. Deste total, 89,9% correspondem a pacientes envolvidos apenas em acidentes com motos e motonetas (1.936).

No caso das quedas, como da própria altura, de telhados, calçadas, dentre outros tipos, elas totalizam 3.066 de janeiro a outubro de 2016 e já representam este ano um número 42,4% maior que o total de pacientes atendidos no HRL vítimas de violência no trânsito.

De acordo com os relatórios de produção e os dados do Hospub, além das 1.936 casos de pacientes envolvidos em acidentes de motocicletas e motonetas, a urgência e emergência do Hospital de Lagarto já atenderam no mesmo período 111 vítimas de acidentes automobilísticos e outras 106 que sofreram atropelamentos.

Em termos absolutos, o número de vítimas de violência no trânsito representam até o momento em torno de 4% do total de pacientes atendidos até outubro pelo HRL, que chega a pouco mais de 53 mil usuários. Já as vítimas de quedas correspondem a cerca de 5,7%. No mesmo período, outros 1.123 pacientes foram atendidos no Pronto Socorro do HRL, após sofrerem traumas diversas, segundo as notificações no Hospub.