Acúmulo de lixo preocupa moradores de condomínios no Augusto Franco

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/12/2016 às 00:00:00

Há mais de 20 dias moradores do conjunto Augusto Franco, zona Sul de Aracaju, enfrentam problemas com a falta de coleta de lixo e entulhos depositados em terrenos baldios situados nas intermediações dos condomínios Ponta D'Alva e Praias do Forte. De acordo com informações dos populares, a Prefeitura de Aracaju, através da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), é responsável por realizar a coleta todos os sábados, mas desde o último dia 05 de novembro não vem cumprindo com a demanda. Sem coleta os problemas se multiplicam na região.

Paralelo ao mau cheiro exalado pelo acúmulo de restos de produtos orgânicos e de higiene pessoal, por exemplo, estes terrenos têm proporcionado condições ideais para a proliferação de roedores, cobras, escorpiões e baratas. Com o tempo seco, porém com alguns pontos de acúmulo de água, o conjunto volta a se preocupar com uma possível ampliação nos registros de Dengue, Vírus Zika e Febre Chikungunya. Diante da situação de extrema vulnerabilidade, os moradores pedem que a administração municipal promova de imediato o recolhimento dos lixos e solucionem o pleito que se arrasta desde o início do mês passado.

Na avaliação do professor aposentado, e hoje comerciante, Hugo Martins dos Santos, esta situação ocorre desde 2014, mas apenas foi intensificada após a conclusão do primeiro turno das eleições. Ele diz acreditar na hipótese de 'abandono' de gestão pública por parte dos atuais gestores da PMA. "É fato que o problema já existia, mas quando acumulava muito tempo era no máximo duas semanas. Depois das eleições as coisas pioraram e agora já estamos chegando no quarto final de semana sem o recolhimento nesses terrenos. Pedimos atenção do prefeito João Alves, pelo menos nesse final de gestão", declarou.

Em contraponto a direção da Emsurb informou que toda a coleta de lixo na região segue o cronograma normal de atuação por parte da empresa Cavo / Estre, mas ressaltou que as denúncias apresentadas são verídicas, porém é causada pelos próprios moradores que insistem em despejar resíduos comerciais e domésticos em pontos apresentados pela Emsurb como irregulares. Sem explicar o motivo, a Prefeitura de Aracaju informou que por enquanto não existe previsão para solucionar a reivindicação dos moradores.

Como o mandato de João Alves se encerra no próximo dia 31, é possível que esta demanda operacional seja herdada ao prefeito eleito Edvaldo Nogueira e a vice Eliane Aquino. O comunicado não agradou aos denunciantes. "Compreendo que realmente existe casos de pessoas lastimáveis; aquelas que não descartam lixo no local correto, mas todo o conjunto não pode ser punido por causa de alguns, de uma minoria. Espero que a prefeitura se conscientize desse nosso pedido e atenda ainda neste final de semana porque nós não aguentamos mais o descaso", afirmou a funcionária pública Helena Dantas.