Soja surpreende em novas áreas do Nordeste

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 02/12/2016 às 00:18:00

Apresentar os resultados dos ensaios recentes com mais de 50 cultivares de soja e seu alto desempenho produtivo no Agreste e Tabuleiros Costeiros, na nova fronteira agrícola denominada SEALBA – recorte territorial que abrange novas áreas com alto potencial para grãos em Sergipe, Alagoas e Bahia.

Este foi o objetivo do encontro promovido pela Embrapa com atores do setor produtivo, assistentes técnicos, empresas de insumos e agentes públicos alagoanos, realizado em Maceió no dia 24 de novembro, na sede da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Alagoas (FAEAL).

O pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE) Sérgio Procópio, que coordena estudos para adaptação de cultivares à região desde 2013, fez a apresentação dos dados e debateu com os participantes, entre os quais o secretário de Estado da Agricultura, Álvaro Vasconcelos.

Diversificação - A soja pode ser uma grande aliada na diversificação e plantios e diminuição das áreas de monocultivo. A cultura pode ajudar no enfrentamento das crises que trazem queda de preço das commodities e perdas para os produtores no SEALBA, especialmente no cinturão do milho, em Sergipe, e na secular monocultura da cana em Alagoas, que nos últimos anos tem sofrido com crises severas, com redução de área plantada e fechamento de usinas.

De acordo com Procópio, a soja, por ser uma cultura de grande valorização, tem grande potencial de ganhos para os produtores da região, pois pode atender a importantes demandas regionais e globais de mercado. "No Nordeste há uma grande demanda por soja para compor a alimentação animal nas fazendas e granjas de quase todos os estados, e a posição estratégica do território, com proximidade de portos, ajuda a baratear custos de frete e escoar parte da produção para exportação", explica o pesquisador.

Outro fator importante, de acordo com Procópio, é a diferença entre os ciclos de clima no SEALBA e as nas regiões tradicionais no restante do país, com chuvas em diferentes épocas do ano. As chuvas no SEALBA ocorrem no meio do ano, durante o inverno, e nas demais regiões a estação chuvosa é o verão. "Isto demonstra um grande potencial para atendermos às demandas fora da safra do Sul e Centro-oeste, além de nos dar a oportunidade de sermos um grande banco de sementes de alta qualidade para fornecimento aos produtores dessas regiões, que começam a plantar no final do ano", acredita.