Cavo demite 160 garis e limpeza de ruas em Aracaju fica comprometida

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/12/2016 às 00:19:00

Milton Alves Júnior

Último mês de gestão municipal sob o comando do prefeito João Alves Filho e o cenário enfrentado pelos aracajuanos não poderia ser outro que não fosse a irregularidade na coleta de lixo e urbanização da capital. Na manhã de ontem, mais uma vez a direção do Sindicato dos Empregados da Limpeza Pública e Comercial de Sergipe (Sindelimp) comunicou suspensão parcial dos trabalhos exercidos por garis e margaridas devido a problemas enfrentados junto à empresa Cavo / Estre. De acordo com a categoria, a falta de pagamento das dívidas acumuladas pela Prefeitura de Aracaju contribuiu para que a Cavo demitisse essa semana 160 trabalhadores.

Já a partir da manhã de hoje a cidade sofre redução representativa no serviço de varrição de ruas, avenidas, bem como em pontos turísticos e nos calçadões das ruas Laranjeiras e João Pessoa, por exemplo. Na avaliação do vice-presidente do Sindelimp, Anderson Vidal, a negligência financeira proporcionada pela PMA está contribuindo para que a cidade amplie os pontos de sujeira. Com a demissão dos profissionais a categoria enaltece que fica difícil manter a cidade dentro dos padrões de higiene, e aproveita para pedir o apoio do Ministério Público do Trabalho e do Tribunal de Justiça.

"Um problema que já deveria ter sido solucionado continua causando esse tipo de situação deplorável para a classe trabalhadora que ganha uma demissão como presente de Natal. Infelizmente são trabalhadores que estão sendo demitidos num período de final de ano e estão desesperados. A Cavo informou que adotou a política de demissão por falta de pagamento por parte da prefeitura; sem dinheiro não tem como manter a equipe", lamentou. Apenas neste ano de 2016 o sindicato afirma que mais de 200 funcionários foram dispensados da Cavo / Estre.

Essa baixa no quadro de servidores é de conhecimento da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), responsável pela contratação do grupo terceirizado; a Secretaria Municipal de Fazenda (Semfaz) é responsável pelo pagamento das dívidas. Por meio de nota encaminhada na manhã de ontem à imprensa, a Cavo informou que: "devido à crítica situação financeira da Prefeitura de Aracaju, a limpeza pública na cidade será readequada para atender a capacidade de pagamento da administração municipal, com consequente redução de equipes apenas de varrição, conforme acordo firmado entre a prefeitura e a Cavo, mediado pelo Ministério Público Estadual".