Coleta de lixo será suspensa a partir de amanhã em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/12/2016 às 00:22:00

Milton Alves Júnior

A partir de amanhã os aracajuanos voltam a enfrentar problemas com a falta de coleta de lixo. Por decisão unânime, ontem os garis e margaridas filiados ao Sindicato dos Empregados da Limpeza Pública e Comercial de Sergipe (Sindelimp) deflagraram greve por tempo indeterminado em decorrência das sucessivas demissões em massa promovidas pelo grupo Cavo / Estre, empresa terceirizada da Prefeitura de Aracaju e responsável pelos serviços urbanos da cidade. 70% da categoria decidiu aderir ao movimento; essa porcentagem representa uma redução de aproximadamente 800 profissionais da limpeza.

De acordo com a categoria, a falta de pagamento das dívidas acumuladas pela Prefeitura de Aracaju contribuiu para que a Cavo demitisse na semana passada 160 trabalhadores. Por esse motivo, a classe trabalhadora optou por suspender as atividades e assim permanecer até que o quadro anterior de funcionários seja recomposto. Ainda de acordo com a direção do Sindelimp, a greve só deverá ser suspensa caso a Prefeitura de Aracaju, ou a própria Cavo, reúna os sindicalistas até a noite de hoje e demonstrem interesse em atender ao pleito da categoria.

De acordo com o vice-presidente do Sindelimp, Anderson Vidal, a perspectiva da empresa é demitir cerca de 300 pessoas até o final deste ano. Situação inaceitável, segundo o gestor. "Não podemos em hipótese alguma aceitar este tipo de postura por parte da empresa e com consentimento da prefeitura. Os trabalhadores sofrem com o descaso e ainda assim acabam sendo demitidos em pleno período de final de ano. Precisamos do apoio dos órgãos públicos e a primeira atitude a ser adotada para que a nossa voz alcance todas as autoridades foi aprovando a greve que já começa na quarta pela manhã", avisou.

A direção da Cavo se manifestou emitindo a mesma nota pública encaminhada na última sexta-feira, 02, junto aos meios de comunicação: "devido à crítica situação financeira da prefeitura de Aracaju, a limpeza pública na cidade será readequada para atender a capacidade de pagamento da administração municipal, com consequente redução de equipes apenas de varrição, conforme acordo firmado entre a prefeitura e a Cavo, mediado pelo Ministério Público Estadual", comunicou o grupo. A Prefeitura de Aracaju não se manifestou quanto ao problema. Com a paralisação, cerca de 500 toneladas de lixo deixarão de ser coletadas diariamente.