Um morto e dois presos em operação no Lamarão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/12/2016 às 00:01:00

Um suspeito morreu e outros dois foram presos em uma operação das polícias Civil e Militar no bairro Lamarão (zona norte), por volta das 6h de ontem. Soldados do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha (BPRp) e agentes do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) foram ao local para cumprir três mandados de prisão contra acusados de crimes como homicídio e tráfico de drogas. Orientadas por denúncias anônimas, as buscas se concentraram na Rua 21, onde dois dos foragidos foram encontrados.

O primeiro deles, Douglas Rodrigues dos Santos, o ‘Dogão’, foi o que morreu na operação. Os soldados cercaram a residência e ordenaram sua saída, mas decidiram arrombar a porta ao ver que ninguém respondia. Segundo a polícia, o acusado estava armado com uma pistola calibre 380 e atirou contra os policiais, que reagiram e o acertaram. Douglas morreu pouco depois de ser internado no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). Além da pistola, foram apreendidos um carregador, 10 munições intactas e um colete balístico. Os materiais foram levados ao COPE, bem como a cópia do mandado e a ficha hospitalar do suspeito.

Na mesma rua, os militares encontraram Luciano de Souza Aragão, denunciado como autor de vários crimes de roubo, tráfico e homicídio no Lamarão. De acordo com a PM, o suspeito colocou a mão na cintura e entrou em uma casa ao ver a chegada da polícia. Descobriu-se que ele estava com 30 gramas de crack e tinha jogado um revólver para uma casa vizinha. O terceiro homem, José Aparecido da Silva, o “Suta”, foi detido em uma casa na rua 19 e não reagiu. Com ele, a polícia apreendeu 13 papelotes de maconha, um revólver e uma pistola ponto 40.

Os dois acusados foram levados para a sede do Cope, no Capucho (zona oeste) e autuados em flagrante. De acordo com a delegada Mayra Moinhos, do Cope, os três eram investigados, entre outros crimes, pelo envolvimento com o assassinato do delegado de polícia Ademir Melo Júnior, em julho deste ano, no bairro Luzia. Isto porque o principal acusado da morte, Anderson Santos Souza, o “Bigode”, 27, seria ligado à quadrilha dos suspeitos.