Testemunhas voltam a depor no processo das Subvenções

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 13/12/2016 às 00:42:00

Duas rodadas de depoimentos foram realizadas ontem no Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), dentro do processo que apura o envolvimento dos deputados afastados Augusto Bezerra (PHS) e Paulo Hagenbeck Filho, o Paulinho das Varzinhas (PT do B), com o Escândalo das Subvenções, relacionado ao uso irregular das verbas de subvenção encaminhadas a entidades pela Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese). Ambas foram reservadas para ouvir aproximadamente 15 testemunhas de defesa dos deputados e dos outros sete réus arrolados no processo.

O principal destaque do dia foi o depoimento de Eduardo Alves Varjão, funcionário da Fazenda Varzinhas, situada em Laranjeiras e pertencente à família Hagenbeck. Ele confirmou em juízo que havia uma grande movimentação de dinheiro no gabinete de Paulinho, onde era incumbido de recolher aproximadamente R$ 70 mil em dinheiro, todos os meses. O funcionário disse ainda que o dinheiro era usado para o pagamento dos empregados da fazenda, mas não soube declinar a origem dele. A responsável pela entrega seria a chefe de gabinete do deputado, Ana Cristina Varela Linhares, também arrolada como ré no processo.

O Ministério Público avaliou que a informação pode indicar que o dinheiro usado na fazenda está ligado ao dinheiro sacado das contas da Associação de Moradores e Amigos da Nova Veneza (Amanova), que teve verbas repassadas por indicação de Paulinho e Augusto. A defesa do deputado nega e afirma que o dinheiro é fruto da venda diária da produção da fazenda. As últimas testemunhas do caso devem depor ao TJSE em 23 de janeiro, após o recesso forense.

-