Agentes de trânsito entram em greve por falta de salários

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/12/2016 às 00:59:00

Milton Alves Júnior

Trabalhadores da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) deflagraram na manhã de ontem paralisação de todas as atividades em virtude da falta de pagamento salarial referente ao mês de novembro. Durante ato público em frente à sede do órgão, a categoria aproveitou para criticar o prefeito João Alves filho (DEM) pela falta de informações quanto à possível data em que a Prefeitura de Aracaju irá realizar o pagamento do décimo terceiro. Os gestores municipais optaram por não se pronunciar oficialmente sobre a ação dos agentes e demais profissionais da SMTT; já os servidores garantiram manter a paralisação até que a administração municipal quite os débitos.

Insatisfeito, o agente de trânsito Helgon Bruno Matos solicita o apoio de órgãos federais e estaduais de fiscalização para que possam em curto prazo garantir todos os direitos dos trabalhadores que, segundo ele, desde o início deste ano sofre a cada final de mês. Para piorar a relação entre classe trabalhadora e gestão, na manhã de ontem o então secretário municipal de planejamento, Igor Leonardo Moraes Albuquerque, foi exonerado do cargo. Como o prefeito ao longo dos últimos anos não se reunia com os servidores, Igor buscava dialogar com as categorias e tentar amenizar os conflitos.

“Infelizmente essa questão dos salários atrasados acontece há mais de um ano, mas a partir de janeiro piorou e agora em novembro foi que desestruturou tudo. Recebemos nosso salário de outubro no dia 18, e agora não sabemos quando vamos receber o de novembro. Décimo terceiro é que não tem previsão mesmo e essa falta de compromisso da prefeitura com os profissionais contribuiu diretamente para que a paralisação fosse aprovada”, avaliou. Durante o movimento a fiscalização nas faixas azuis estará suspensa; mediações de congestionamentos e serviços de reparos em letreiros e semáforos também seguem prejudicados. A greve já foi comunicada aos ministérios públicos Estadual, e do Trabalho.

Na tentativa de solucionar o impasse administrativo e evitar a continuidade da greve, a secretária de Defesa Social, Georlize Telles - que passa a acumular, também, o cargo de secretária municipal do Planejamento, Orçamento e Gestão -, se reuniu com representantes da categoria, mas não obteve êxito. A gestora pediu que a paralisação não fosse promovida, mas os servidores decidiram continuar com os braços cruzados até que o salário seja depositado na conta bancária de cada funcionário. Até o início da noite de ontem, apesar do conflito gerado, a Seplog não havia informado o cronograma de quitação salarial.

Abrangência - Cenário de desprezo público também está sendo enfrentado por funcionários da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb). Como se não bastasse o salário atrasado, os servidores ainda sofrem com o não repasse de ticket alimentação, transporte e férias. A equipe operacional da Emurb decidiu bloquear a entrada principal do órgão e inviabilizou o expediente. Essa foi a terceira manifestação da categoria em menos de 20 dias. Caso a situação permaneça, os atos seguem por tempo indeterminado.