Paralisação da rede municipal de Saúde provoca superlotação do Huse

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/12/2016 às 00:12:00

O Pronto Socorro do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) registrou, entre os dias 12 e 18 de dezembro, cerca de 3.300 atendimentos a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), com 353 internamentos. O alto número de pacientes está relacionado à falta de assistência nos Postos e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Zona Norte e Zona Sul de Aracaju, que são os verdadeiros responsáveis por ofertar serviços básicos e de baixa complexidade.

Do total de atendimentos registrados, 1.818 foram a pacientes de Aracaju, ou seja, 55% do total. As estatísticas do Sistema Integrado de Informatização de Ambiente Hospitalar (Hospub) também mostram 36 pacientes da Bahia, seis de Alagoas, 20 de unidades de saúde distribuídas na capital e interior do Estado, 29 trazidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e 1.289 de municípios vizinhos.

Já os atendimentos de baixa complexidade somaram 1.200 pacientes, compreendendo 36% do total. De acordo com a superintendente do Huse, Lycia Diniz, um novo Plano de Contingência foi traçado para reduzir o impacto e o caos causado por causa dessa crise na Rede Municipal de Saúde. “A baixa complexidade continua sendo nosso maior foco, seguido dos traumas, que também aumentam as estatísticas”, informa. Segundo a gestora, esta é uma semana que merece maior atenção, tendo em vista às comemorações de final de ano.

“Montamos um novo espaço para não comprometer os trabalhos das equipes assistenciais do Hospital. Pedimos prudência e atenção para quem vai aproveitar as festas”, orientou. O espaço a que ela se refere está na Área Azul das poltronas, destinada aos casos de baixa complexidade. O objetivo da estratégia é agilizar a demanda que não para de chegar em busca de atendimento, além de oferecer maior conforto ao usuário do SUS.

“Ele funciona como uma retaguarda dos atendimentos rápidos, característicos dos postos de saúde, oferecendo hidratação, soro, medicação, aplicação de aerosol, etc. Médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem estão trabalhando para não sobrecarregar as equipes do internamento”, complementa a superintendente.

A auxiliar de serviços básicos, Maria Estela Silveira, 56, estava com infecção urinária e procurou atendimento na unidade do seu bairro, mas sem sucesso. Fez um chá caseiro e o problema não melhorou por isso ela foi até a UPA Nestor Piva. “Também não fui assistida lá. Andei muito com essa dor, mas graças a Deus estou no lugar certo (no Huse). Fiz exame, tomei soro e estou em observação. Um atendimento que tem menos de 24h e já estou me sentindo muito bem”, afirma.

Ainda durante a semana passada, o Hospital de Urgências de Sergipe registrou 948 atendimentos na Sala de Sutura e Ortopedia. Os setores de Otorrinolaringologia e Oftalmologia, juntos, atenderam a 110 pacientes. Já ambulatórios de Oncologia, Fisioterapia, Nutrição, Retorno e Radioterapia, totalizaram 391 atendimentos.