Bandidos fazem arrastão no estádio do Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/12/2016 às 00:09:00

Gabriel Damásio

 

A concentração dos jogadores do Club Sportivo Sergipe, em seus preparativos para o início da temporada, foi quebrada na noite desta segunda-feira por um arrastão promovido por quatro criminosos armados que invadiram os alojamentos do time, dentro do Estádio João Hora de Oliveira, no Siqueira Campos (zona oeste de Aracaju). Os ladrões chegaram ao local em pelo menos duas motos e, segundo as primeiras informações, roubaram principalmente os jogadores das categorias de base e alguns integrantes da comissão técnica. O assalto aconteceu por volta das 18h30 e mobilizou várias equipes da Polícia Militar na busca aos assaltantes.

Segundo as primeiras informações, os bandidos passaram por uma das entradas laterais do estádio e acessaram o alojamento dos atletas da base. Ali, os jogadores que tinham concluído um treino e descansavam em seus quartos foram surpreendidos pela chegada dos marginais. Alguns dos jogadores e integrantes da comissão técnica foram encostados contra a parede e até revistados pelos ladrões. Outros ergueram os braços e até se ajoelharam em sinal de rendição. O quarteto também revirou os armários do alojamento e foram recolhendo os objetos, sobretudo celulares, tênis, uniformes, notebooks, relógios e algumas carteiras com dinheiro e documentos.

Em seguida, os reféns foram obrigados a andar até o refeitório do estádio, ameaçando atirar em quem olhasse para trás. Todos foram obrigados a ficar no local, enquanto os bandidos trancavam a porta com um cadeado. Os ladrões ainda passaram por algumas salas, antes de voltarem para as motos e fugirem pela Avenida Rio de Janeiro, em direção à zona sul. Além dos jogadores e de equipe de treinadores da base, um dirigente do Sergipe também teve seus pertences roubados. O presidente do clube, Silvio Santos, não estava no João Hora e o técnico Gilberto Nascimento, o ‘Betinho’, responsável pelo time principal, trabalhava em sua sala, mas ela não foi invadida.

A polícia foi alertada por funcionários e alguns torcedores que freqüentam o Sergipe, quando estes perceberam que o refeitório estava trancado com os jogadores. Não se sabe exatamente quantas pessoas foram vítimas, mas, de acordo com o supervisor de futebol, Nelson Lima, mais de 20 celulares foram levados pelos criminosos e há a suspeita de que eles tinham algum conhecimento sobre a rotina diária do clube, pois, de acordo com algumas vítimas ouvidas pela polícia, os bandidos exigiam principalmente os telefones celulares dos jogadores.

Ontem, a diretoria do Sergipe tomou medidas para reforçar os procedimentos internos de segurança. Uma delas é o aumento da restrição de acesso do público ao João Hora. “Infelizmente, atos de violência dessa natureza têm se tornado corriqueiros em nossa capital e em todo o estado. O que nos deixa apreensivos em relação a questão da segurança pública. Em função desse cenário, e para preservar a integridade de nossos atletas, funcionários, torcedores e profissionais da imprensa, a diretoria rubra adotará medidas que limitarão o acesso as dependências do João Hora”, diz a nota oficial divulgada pelo Sergipe.

Todas as vítimas prestaram queixas na Delegacia Plantonista Norte (Santos Dumont). Apesar das buscas feitas por soldados do 8º Batalhão de Polícia Militar (8º BPM) e da Força Tática, nenhum suspeito foi encontrado. O caso foi encaminhado para a 1ª Delegacia Metropolitana (1ª DM), cujos investigadores já conseguiram imagens do circuito interno de TV instalado no posto de combustível situado ao lado do estádio. Segundo a polícia, as câmeras de segurança registraram a chegada e a saída dos bandidos, o que ajuda a identificar características do crime e de seus autores. Qualquer informação sobre o assalto ao Club Sportivo Sergipe pode ser repassada pelo Disque-Denúncia, através do telefone 181 ou do aplicativo Disque-Denúncia SE. O uso é gratuito e o informante não precisa se identificar.

-