Motoristas do Samu desistem de greve e aguardam reunião com governo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/12/2016 às 00:17:00

Condutores de ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) seguem aguardando uma reunião com gestores da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Antes dispostos a promover uma paralisação de até 70% nas ambulâncias e nas bases de atendimento da corporação, a categoria decidiu suspender o movimento grevista e aguardar o resultado do encontro junto ao Governo do Estado. Conforme publicado na edição de ontem do Jornal do Dia, a classe trabalhadora exige o pagamento integral do décimo terceiro salário sem a necessidade de promover empréstimo junto ao Banese para receber o salário mensal.

Sobre o impasse a Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) informou que: "o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) concedeu liminar favorável a este órgão no mandado de segurança impetrado pelo Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), acerca do pagamento do 13° salário. O Tribunal entendeu os fundamentos alegados pela FHS, a exemplo da grave crise econômica e financeira enfrentada pelo Estado. Com a decisão, o TRT suspendeu a tutela antecipada que obrigava a FHS a pagar o 13° até a data de terça-feira, dia 20 de dezembro", disse.

A direção da SES concluiu garantindo que: "os servidores podem contratar na íntegra a segunda parcela junto ao seu banco, via cash, internet ou, ainda, realizar a contratação na própria agência bancária". Na avaliação feita por Adilson Ferreira, presidente do Sindicato dos Condutores de Ambulâncias do Samu, a administração necessita encurtar o elo de diálogos junto aos trabalhadores e buscar atender aos anseios reivindicados pelas categorias, bem como pelos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). A possibilidade de greve não foi descartada.

"Estamos dispostos a conversar com a Secretaria de Saúde, uma colega que conhece perfeitamente nossas condições diárias de trabalho e os nossos direitos e deveres. Não podemos aceitar que benefícios como o décimo terceiro seja fatiado em várias parcelas e para que possamos ter acesso a ele precisemos recorrer a um empréstimo. Esperamos que essa situação seja reparada e a conversa possa render em outros benefícios para nós trabalhadores e para a população", declarou.

Suspensão - Sobre a possibilidade de fechamento das bases do Samu e das dificuldades enfrentadas pelos profissionais, a direção encaminhou a seguinte nota: "A superintendência do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192 Sergipe) informa que a Base do município de Riachuelo não está fechada. Ela foi realocada para a Base de Nossa Senhora do Socorro, por questões de segurança para as equipes do SAMU. No município de Carira a Base permanece aberta, desde a sua inauguração, com equipe e viatura (Unidade de Suporte Básico - USB)".

A assessoria de comunicação do Samu completou esclarecendo: "Essa Base foi recentemente beneficiada com reforma estrutural e aquisição de mobiliários. Desde a sua inauguração, a Base de Canindé do São Francisco também permanece aberta, com equipe e viaturas (Unidade de Suporte Avançado e Unidade de Suporte Básico). Existe, porém, dificuldade de contratação em Recursos Humanos (médico). Esse fato, no entanto, não caracteriza desassistência em virtude da Regional mais próxima (Nossa Senhora da Glória) ou outras regionais serem acionadas para o atendimento que se fizer necessário às Urgências e Emergências. O Samu 192 Sergipe salienta, ainda, que a Regional de Canindé, pela distância entre ela e Aracaju, é a que mais tem se beneficiado com a utilização do equipamento de Saúde Aeromédico".