Hospital Cirurgia suspende atendimento a pacientes do SUS

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/12/2016 às 00:13:00

Usuários do Sistema Único de Saúde de Aracaju (SUS) voltam a enfrentar problemas na hora de buscar assistência médica especializada na Fundação de Beneficência Hospital de Cirurgia (FBHC). Na manhã de ontem o hospital emitiu uma nota comunicando a suspensão do serviço em virtude de novo atraso no repasse de verbas por parte da Prefeitura de Aracaju. Esse procedimento administrativo deveria ter sido cumprido por intermédio das secretarias municipais da Saúde e Fazenda. Sem cumprir prazos e determinações ajuizadas pelo MPE, a administração do prefeito João Alves filho (DEM) volta a inviabilizar o atendimento destinado às centenas de pacientes que buscam socorro no HC.

Na íntegra, a direção hospitalar alegou que: “a falta de recursos financeiros prejudica a aquisição de medicamentos e materiais e, consequentemente, a assistência aos usuários dos serviços de Saúde. Os valores a pagar pela Prefeitura superam os seis milhões e setecentos mil reais, sendo que parte deles está em atraso desde o mês de setembro e se referem a serviços prestados no mês de agosto. O atendimento à população voltará ao normal assim que o Hospital de Cirurgia receber os recursos financeiros indispensáveis para suas operações”. Essa é a terceira paralisação do serviço registrada em menos de seis meses. A medida adotada pelo hospital segue por tempo indeterminado.

O fato já foi comunicado ao Tribunal de Justiça e ao Ministério Público Estadual, bem como aos órgãos competentes da PMA. Enquanto o problema não volta a ser debatido em audiência pública e posteriormente solucionado, a população segue sofrendo ao peregrinar de unidade em unidade em busca de consulta. Com o HC suspenso, a tendência é que este final de ano seja ainda mais complicado para o Hospital de Urgências de Sergipe (Huse).

Conforme estatísticas apresentadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), durante a greve dos servidores da saúde o índice de atendimentos subiu de forma representativa. Em uma semana de movimento, foi registrada evolução superior a três mil novos prontuários além do normal. Com a paralisação do segundo maior hospital que atende ao SUS, a perspectiva é que este índice supere a casa dos dez mil até o próximo dia 31.