Cope prende acusados de clonar cartões bancários

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/12/2016 às 00:18:00

Equipes de investigação do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil, prenderam os cearenses Francisco Rogervario Gonçalves Sales, 38 anos, e Fabrício Leite Souza, 30. Eles foram flagrados na tarde desta quarta-feira, quando tentavam retirar um equipamento conhecido popularmente como ‘chupa-cabra’, que estava instalado num caixa eletrônico dentro de um hipermercado do bairro Jardins (zona sul de Aracaju).

A investigação tramita há seis meses e começou com um golpe aplicado em meados de 2016, que gerou um prejuízo de mais de R$ 500 mil, após dois ataques dos golpistas. A tática consiste em instalar os equipamentos clandestinos em terminais de auto-atendimento bancário, os quais captam dados dos cartões bancários para posterior clonagem. Após a reprodução dos cartões, os golpistas voltam para realizar saques com os cartões falsificados.

Na manhã de ontem, as equipes de investigação identificaram a instalação de um equipamento na loja de uma rede de supermercados, no bairro São José. Durante a investigação, foram analisados pontos de convergência da atuação da quadrilha e elencados lugares de maior risco para novos ataques, dentre eles, o hipermercado do bairro Jardins. Considerando a vulnerabilidade deste local, após a identificação da instalação do primeiro ‘chupa-cabra’, e a confirmação de que a quadrilha estava atuando no Estado, os investigadores se deslocaram para o local apontado como de maior risco, onde flagrou os cearenses recolhendo o equipamento.

Dois ‘chupa-cabras’ foram apreendidos e serão periciados para coleta de dados e imagens. Interrogados, os acusados confessaram a autoria do crime e a participação na quadrilha em investigação, que vem atuando no Estado de forma reiterada. O Cope destacou que ambos os conduzidos possuem outras passagens anteriores pelo mesmo crime, sendo essa uma grande dificuldade no combate aos crimes desta natureza. Por ser crime praticado sem violência, os meliantes progridem para liberdade provisória com facilidade. Especialistas na arte de fraudar, voltam a reincidir.

 O Cope destacou ainda que os meliantes são pessoas de amplo conhecimento na área de tecnologia e que vivem um alto padrão de vida, esbanjando o dinheiro aferido com os golpes. Com a apreensão dos equipamentos, evitou-se o envio das informações captadas de forma ardilosa para a quadrilha e a clonagem dos cartões que tiveram os dados captados. As investigações continuam no sentido de identificar todos os indivíduos que atuaram no estado nos golpes mencionados. (com SSP)