Professores dão nota 0,9 à educação estadual

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/12/2016 às 00:04:00

Com 0,9 a gestão de Jackson Barreto na educação pública da rede estadual teve a pior nota desde que o Sintese começou a apresentar as notas da Prova Final da Gestão da Educação Pública, em 2007.

“No estado são dois anos de descompromisso, de ausência de política, de dois anos seguidos sem reajuste (além do reajuste de 2012), boa parte das escolas com péssima estrutura física, falta de alimentação e transporte escolar. A nota dada pelos professores e professoras o retrata o que foi e o que representou a ação política de Jackson Barreto em relação aos professores e professores em 2016”, disse a presidenta do Sintese, Ivonete Cruz.

Dos 74 municípios, somente 20 tiveram avaliações acima de 5,0. Quarenta e nove gestões tiveram avaliações entre 1,0 e 5,0. E quatro municípios tiveram avaliações abaixo de 1,0.

As cinco maiores notas foram atribuídas aos municípios de Riachuelo (8,1), Itabaiana (7,8), Cedro de São João (7,7), Siriri (7,1) e Nossa Senhora do Socorro (6,5).Já as cidades de São Cristóvão (0,4), Propriá (0,7), Aquidabã e Canhoba (0,8), além de Frei Paulo e Gararu (1,0) ficaram com as piores notas.

“Esperamos que as notas sirvam para os gestores refletirem sobre como vão gerir a política educacional em 2017”, aponta Roberto Silva dos Santos, vice-presidente do Sintese.

O ano de 2016 foi muito difícil para os professores e professoras, tanto das redes municipais, quanto da rede estadual.Nos municípios a grande parte das greves e paralisações foi no sentido de garantir o pagamento do salário em dia, além das reivindicações de cumprimento da lei do piso, melhoria nas condições de trabalho e na garantia do acesso e permanência do estudante na escola.

Na rede estadual, o magistério amarga três anos sem reajuste do piso (2012, 2015 e 2016). As denúncias de falta de alimentação nas escolas foram constantes. No decorrer deste ano, estudantes de diversos municípios não puderem assistir às aulas nas escolas da rede estadual por falta de transporte.