Médicos prometem paralisação de 100% nos postos da PMA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/12/2016 às 00:06:00

Milton Alves Júnior

Médicos e enfermeiros da Prefeitura de Aracaju ameaçam suspender todos os atendimentos do no Sistema Único de Saúde (SUS) nos setores de urgência e Emergência das unidades Nestor Piva – zona Norte da capital, e Fernando Franco, na zona Sul. Inconformados com o não recebimento salarial referente aos meses de novembro, dezembro, além da gratificação natalina, as categorias comunicaram na manhã de ontem que pretendem cessar em 100% todos os serviços. Mais de dois mil servidores da pasta estão em greve desde o último dia 1º, e assim seguem até que os débitos sejam devidamente repassados.

Diante da situação, a direção do Sindicato dos Médicos do Estado de Sergipe (Sindimed) comunicou o fato aos ministérios públicos Estadual e do Trabalho, e volta a se reunir em assembleia na próxima segunda-feira, 02, quando Aracaju já estará sendo administrada por Edvaldo Nogueira (PCdoB), e Eliane Aquino (PT). Esta semana a Secretaria Municipal do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplog), e a Secretaria Municipal da Fazenda (Semfaz) informaram que a folha de pagamento em atraso havia sido fechada na última terça-feira, 27, mas até a tarde de ontem centenas de servidores alegaram não ter registrado o repasse do débito.

Já se antecipando contra medidas emergenciais a serem possivelmente articuladas pelo prefeito João Alves Filho, o Sindimed informou em nota oficial que pretende acionar o Conselho Regional de Medicina para punir aquele profissional que aceite ser contratado temporariamente através de Recibo de Pagamento Autônomo (RPA). A medida foi aprovada por unanimidade pelos lideres grevistas.

“Diante do não pagamento dos salários de novembro e o não pagamento da integralidade do 13º salário, a categoria médica decidiu pela manutenção da greve e a paralisação de 100% dos médicos estatutários da rede de urgência caso os pagamentos não sejam realizados. Com essa decisão, caso a PMA não realize o pagamento desses atrasos, a partir das 7h de hoje os profissionais não estarão presentes nessas unidades. Caso médicos contratados via RPA sejam escalados em substituição aos médicos estatutários e assumam esses plantões, serão denunciados ao CRM”, comunicou. Com a aproximação do fim de mandato do prefeito João Alves, é possível que o impasse junto aos médicos seja herdado pelo novo prefeito.

Justamente sobre este assunto, na manhã de ontem a Prefeitura de Aracaju informou que as perspectivas internas ligadas aos departamentos financeiros indicam pagamento do salário de dezembro e quitação do décimo terceiro salário apenas no próximo ano. No início do ano o Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa) garantiu que as categorias estão dispostas a realizar greves unificadas todas as vezes em que a PMA deixe de pagar os salários após o último dia útil de cada mês vigente.