Seca castiga população de 22 municípios de Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 05/01/2017 às 00:53:00

Milton Alves Júnior

 Milhares de pessoas residentes nos 22 municípios atingidos pela seca em Sergipe permanecem sofrendo com a longa estiagem registrada na região Nordeste desde 2010. Conforme estudos meteorológicos realizados por peritos do Governo do Estado e Universidade Federal de Sergipe (UFS), o fenômeno climático deve permanecer castigando o homem do campo, lavouras e animais sem água apropriada para consumo e irrigação. Segundo as análises, 2016 foi marcado pela redução no índice de chuvas e assim deve permanecer neste primeiro trimestre de 2017. Sem o fornecimento natural do líquido, os sertanejos seguem aguardando a entrega do produto por meio de caminhões pipas.

Sobre o fornecimento de água pelos carros pipas, o coronel Gilfran Mateus, da Defesa Civil, afirmou que falta de chuva atingiu o estado de forma agravante e na tentativa de minimizar os efeitos negativos, o Governo de Sergipe juntamente com o Governo Federal estão trabalhando para ampliar o número de caminhões pipas que levam água potável para as áreas mais críticas. A preocupação também se direciona para os açudes que servem como depósito de água destinada para o consumo animal, bem como para a irrigação das plantações. Neste período Sergipe já registrou dano de 80% da safra de milho e mais 40% de queda na produção de leite.

Entre os municípios em situação de emergência estão: Canindé do São Francisco, Porto da Folha, Poço Redondo, Poço Verde, Nossa Senhora da Glória, Frei Paulo, Gararu, Nossa Senhora Aparecida, Carira, Cedro de São João, Ribeirópolis, Pinhão, Macambira, Propriá, Telha, Gracho Cardoso, Itabi, São Domingos e Capela. Segundo o superintendente de recursos hídricos da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), Ailton Rocha, a administração pública estadual tem debatido o assunto com as prefeituras e acompanhado o aquecimento climático por meio de monitores. A medida tem por objetivo identificar a gravidade do fenômeno e tentar minimizar as dificuldades deparadas pelos sertanejos.

“Percebemos que os estados da Bahia, Pernambuco, Ceará e agora Sergipe estão registrando o aumento das temperaturas e falta de chuva desde o ano passado quando os índices apresentaram queda em relação ao mesmo período de 2015. A quantidade de chuva esteve bem abaixo do esperado para 2016 e esse fator contribuiu diretamente para que muitas cidades em Sergipe, e em toda a extensão do nordeste decretassem estado de emergência”, disse. Com o registro de 23% das cidades em situação de risco, Sergipe surge em 9ª colocação geral do ranking de estados brasileiros que sofrem com a seca, e em quarto no ranking regional.

Paralelo ao trabalho desenvolvido pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), a distribuição de água por meio de caminhões pipa e demais medidas de combate à seca conta com o apoio operacional da Defesa Civil Estadual, Corpo de Bombeiros, Exército Brasileiro e prefeituras.