Taxistas são acusados de perseguir suposto motorista de Uber

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/01/2017 às 00:09:00

A Polícia Civil segue investigando a denúncia de perseguição e ameaças realizadas na noite da última quinta-feira, 05, entre taxistas cooperativos atuantes no município de São Cristóvão e um estudante da Universidade Federal de Sergipe que teria sido confundido com um motorista do aplicativo Uber. Conforme denúncia registrada pela vítima na Delegacia Plantonista, em Aracaju, os agressores tentaram intimidá-lo ao bloquear a saída principal da UFS; nesse momento, por volta das 21h, ele conseguiu desviar do bloqueio e assim deu início à perseguição que só terminou em frente à base da Polícia Militar situada no bairro América.

Acompanhado de um colega de estudo, o motoristas relatou o fato a agentes militares e solicitou apoio para seguir até o centro da capital e denunciar a atitude agressiva protagonizado pelos três taxistas que se mostraram contrários à implantação do UBER em Aracaju e região metropolitana. Com receio de que o fato volte a ser promovido o denunciante pediu que as investigações permaneçam até que os responsáveis sejam identificados e posteriormente punidos conforme previsto na legislação brasileira. No Boletim de Ocorrência ficou registrado ainda os danos materiais causados no veículo da vítima.

Sobre o assunto a direção do Sindicato dos Taxistas do Estado de Sergipe (Sintax) informou que também se mostra contrária a inclusão do Uber no mercado sergipano, mas que, sobretudo, recrimina qualquer que seja a postura violenta e intimidadora articulada por profissionais da área. A proposta da categoria é lutar pelo bloqueio do sistema de forma ordeira e perante o poder judiciário, e não entrando em conflito com motoristas cadastramos no aplicativo, tampouco com motoristas que não atuam na função de condutor de passageiros. Segundo o Sintax, a Polícia Civil pode contar com o apoio para identificar os responsáveis pela perseguição relatada.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública não possui uma perspectiva de quando o fato será elucidado. (Milton Alves Júnior)