Pedidos ao vento

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/01/2017 às 00:13:00

Pedidos ao vento

 

Gilson Sousa

 

 

Pedir, qualquer um pede. Ser atendido é uma outra questão. Foi mais ou menos esse o roteiro da visita do ministro da Saúde, Ricardo Barros, a Aracaju nesta quinta-feira, 5. Muitos pedidos levados na bagagem de volta, mas nenhuma garantia de atendimento. Dezenas de prefeitos ávidos por recursos para a saúde comparecem à palestra num hotel da orla de Aracaju e fizeram suas solicitações ao ministro. Como resposta,ouviram que todos os pedidos serão estudados e que o governo federal fará de tudo para ajudar a saúde pública em Sergipe. Somente isso, praticamente.

Trazido a Aracaju pelo deputado federal André Moura (PSC), numa demonstração de prestigio enquanto líder do governo na Câmara dos Deputados, o ministro da Saúde conseguiu reunir num mesmo ambiente políticos da situação e oposição em Sergipe. Tanto na visita que fez aos hospitais Santa Isabel e Cirurgia, quanto na reunião que participou no Palácio dos Despachos, Ricardo Barros se deparou com o governador Jackson Barreto, o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, a vice-prefeita de Aracaju, Eliane Aquino, o deputado federal Valadares Filho, o senador Eduardo Amorim, os deputados estaduais Maria Mendonça e Venâncio Fonseca, o secretário de Saúde de Aracaju, André Sotero, além de André Moura, é claro, e dezenas de assessores dos políticos.

De todos, Jackson Barreto foi o mais pidão. Foram logo quatro pedidos de uma única vez. Pediu dinheiro para construir o bunker utilizado no tratamento oncológico do Hospital de Urgência de Sergipe – Huse; pediu a renovação da frota do Samu 192 Sergipe; pediu recursos para a unidade neonatal do Hospital Santa Isabel; e pediu também verba para atender as Clínicas de Saúde da Família do interior. O ministro, claro, disse que estudará com carinho todas as solicitações do governador.

“Recebi várias demandas e garanto que analisaremos a fundo todas as solicitações. Não há nenhum pagamento retroativo a ser feito, mas àquilo que está solicitado nós daremos o máximo de atenção para que possamos cumprir a participação do governo federal, que é de 50% do custeio sobre as ampliações do sistema de saúde aqui em Sergipe”, garantiu o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para quem todos os encontros de quinta-feira foram proveitosos.

E após uma série de pedidos e acenos, para os sergipanos ficou a esperança de que o blá-blá-blá ministerial do governo ilegítimo não prevaleça. “Toda visita de um ministro causa uma expectativa e nós o recebemos com muita alegria e esperamos que essa visita possa trazer notícias importantes de investimentos, de recursos para a saúde, que hoje é uma das áreas mais questionadas pela sociedade. Nós precisamos muito do apoio do Ministério da Saúde porque nós estamos fazendo o nosso dever de casa, mas é preciso que haja cada vez mais compreensão do Governo Federal”, disse o esperançoso Jackson Barreto.

“A vinda do ministro ao estado é essencial para reforçarmos a importância desse trabalho em conjunto. O Governo tem trabalhado muito. Descentralizamos a saúde com os hospitais regionais, fortalecemos o Huse e a Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, mas precisamos também de uma base fortalecida”, afirmou a competente secretária de Estado da Saúde, Conceição Mendonça.

No mais, para ao menos gastar tinta de caneta o ministro Ricardo Barros assinou uma portaria que habilita Aracaju a receber incentivos financeiros para aplicação no Samu, e outra que garante recursos para atendimentos de média e alta complexidade no Estado, com investimentos na ordem de R$ 6,3 milhões. “Estamos aqui depois de ter publicado portarias que aportam à saúde do estado R$ 6,3 milhões por mês. Empenhamos R$ 60 milhões e pagamos R$ 98 milhões a Sergipe somente nesse final de ano. Esperamos que logo mais tudo isso esteja à disposição da população, para que ela possa ser melhor atendida, no sentido de otimizar as estruturas que já existem”. Todos esperamos.

-

 

Mudança de casa

O deputado federal Laércio Oliveira, do Solidariedade, poderá em breve integrar o grupo de apoio ao governador Jackson Barreto (PMDB). A intenção é também filiar ao partido o ex-vice-prefeito de Aracaju, José Carlos Machado, que é disputado pelo PMDB, PSD e outros. Laércio, que era muito ligado a João Alves, pensa alto em 2018 e conta com o apoio de centenas de empresários fortes para, no mínimo, manter sua cadeira na Câmara dos Deputados.

 

Quero meu dinheiro

O Sintese está pressionando uma série de prefeituras para que paguem os salários de dezembro ao magistério. De acordo com o sindicato, deixaram os professores na mão em dezembro os prefeitos de Aquidabã, Arauá, Canindé do São Francisco, Gararu, Graccho Cardoso, Indiaroba, Itaporanga D'Ajuda, Lagarto, Maruim, Pinhão, Poço Verde, Propriá, Riachão do Dantas, Rosário do Catete, Salgado. Santa Rosa de Lima, Santana do São Francisco, Santo Amaro das Brotas, Telha e Tomar do Geru.

 

Tem que pagar

Ontem, em audiência com representantes desses 20 municípios que não pagaram salários dos professores, o presidente do Tribunal de Contas, conselheiro Clóvis Barbosa, disse que irá se reunir com os promotores do Ministério Público, responsáveis pela Operação Antidesmonte, e buscar as providências. O Sintese quer que o TCE multe os gestores por descumprimento do cronograma de pagamento que eles mesmos apresentaram e que eles tenham as contas rejeitadas, conforme resolução da própria corte de contas proferida no mês de novembro. Uma nova audiência entre o TCE, Sintese e representantes de prefeituras foi marcada para a próxima quarta-feira, dia 11.

 

Piso dos professores

O valor do piso salarial nacional do magistério para 2017 deverá ser de R$ 2.298,80. Já para 2018, caso se mantenham os critérios de reajuste do Fundeb, o valor do piso nacional do magistério deverá ser de R$ 2.412,29. O Ministério da Educação ainda não se pronunciou oficialmente sobre esses valores, mas os cálculos feitos pelos sindicalistas apontam para eles. Até dezembro do ano passado, o salário mínimo para professores que trabalham 40 horas semanais e tenham pelo menos nível médio era de R$ 2.135,64. Em 2015, o piso era R$ 1.917,78.

 

Salário mínimo

Falando em salário, desde o dia 1º de janeiro entrou em vigor o novo salário mínimo no Brasil, de R$ 937, que valerá durante 2017. Só que a estimativa é do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), caso fosse cumprida à risca a Constituição Federal, o salário mínimo ideal para sustentar uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.856,23. Só para lembrar, de acordo com a lei o salário mínimo deveria atender as necessidades básicas do trabalhador e de sua família, como estabelecido na Constituição: moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e Previdência Social. Tá longe.

 

Gilmar na Alese

Nesta segunda-feira, 9, o suplente Gilmar Carvalho toma posse na Assembleia Legislativa para ocupar a cadeira do ex-parlamentar Valmir Monteiro (PSC), que renunciou para assumir a prefeitura de Lagarto. A solenidade de posse ocorrerá no gabinete do presidente Luciano Bispo (PMDB), a partir das 9h. Dessa vez Gilmar Carvalho ficará no mandato de deputado estadual até dezembro de 2018, quando certamente tentará a reeleição. 

 

 Outros dois

Só para lembrar, na última segunda-feira, dia 2, os suplentes Tijói Evangelista, conhecido como Adelson Barreto Filho (PR), e Morito Matos (PROS) foram empossados como deputados estaduais nas vagas deixadas pelos hoje prefeitos de Estância e Nossa Senhora do Socorro, respectivamente, Gilson Andrade (PTC) e Padre Inaldo (PCdoB).

 

Novo secretário

Quem também será empossado em cargo público nesta segunda-feira, dia 9, é o delegado de polícia Cristiano Barreto Guimarães. Às 11 horas, no Palácio dos Despachos, o governador Jackson Barreto comandará a solenidade de posse de Cristiano como secretário de Estado da Justiça e de Defesa do Consumidor. Ele ocupará o lugar deixado por Antônio Hora, que pediu demissão em dezembro do ano passado. Deverá ser bastante concorrida.

 

Boa experiência

Natural de Aracaju, Cristiano Barreto ingressou na Polícia Civil em 2001. É bacharel em Direito pela Universidade Tiradentes, e já atuou como Delegado Regional em Itabaiana, Lagarto, Maruim, Tobias Barreto, foi diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e do Núcleo de Investigação do Cope (Complexo de Polícia Especializada). Atuou também como titular na Coordenadoria de Polícia do Interior e foi assessor da Delegacia de Repressão a Roubo de Cargas no Estado de Sergipe. Ocupava, até a nomeação, a Diretoria da Divisão de Inteligência e Planejamento Policial Civil (Dipol).

 

Dinheiro para saúde

Uma emenda parlamentar do líder do governo na Câmara dos Deputados, André Moura (PSC/SE), garantiu ao município de Simão Dias um aporte de R$ 483.842,00 para o custeio da Rede de Atenção Básica da Saúde. O dinheiro foi liberado no final de dezembro. Dentre os serviços oferecidos pela Atenção Básica estão consultas clínicas, educação para prevenção de doenças, vacinação, serviços ambulatoriais como aplicação de injeção e troca de curativos e a realização de exames preventivos. Boa ação.

 

Diagnóstico da PMA

Na segunda-feira, dia 9, o prefeito Edvaldo Nogueira reunirá a imprensa para falar sobre o diagnóstico da Prefeitura de Aracaju encontrado pela comissão de transição. Falará também sobre os ajustes discutidos na reunião de secretariado que ocorreu ontem. Será a partir das 8h no auditório do Centro Administrativo da PMA.

 

Adoção de animais

A Associação Defensora dos Animas São Francisco de Assis (Adasfa) fará hoje, dia 7, sua 202ª Feira de Adoção de Animais. Será das 09h às 13h no Pet Sol Nascente, que fica na avenida Farmacêutica Cezartina Régis, 35, no conjunto Sol Nascente, em Aracaju. Na feira, haverá dezenas de animais aptos a serem adotados. Para os que não podem adotar um animal, por motivos diversos, os organizadores da feira pedem a doação de ração e/ou material de higiene. Tudo muito útil no dia a dia da Adasfa.

 

 -

 

FRASE

 

"Não vejo vantagem na reencarnação, a não ser que conte tempo para o INSS"

 

Luis Fernando Veríssimo