Alto índice de acidentes faz da Tancredo Neves a avenida mais perigosa de Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 12/01/2017 às 00:17:00

O lamentável título de via expressa mais perigosa de Aracaju e região metropolitana permanece em posse da Avenida Presidente Tancredo Neves. Desde o dia 01 de janeiro, duas pessoas faleceram em decorrência de sinistros automotivos, e mais cinco ficaram feridas sem gravidade. O caso mais recente com registro de óbito foi notificado no último domingo, 08, quando uma idosa de 79 anos, pedestre, foi atropelada ao tentar atravessar a avenida fora da faixa exclusiva para transeuntes. A vítima chegou a ser atendida e encaminhada para o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), mas não resistiu aos ferimentos e faleceu na manhã da última terça-feira, 10, em consequência do impacto.

Já na manhã de ontem uma colisão entre duas motocicletas resultou no encaminhamento de três pessoas para o setor de trauma da maior unidade hospitalar do Estado. Peritos da Justiça Volante estão analisando as circunstâncias do acidente a fim de descobrir os motivos da colisão. De acordo com o engenheiro de trânsito, Edmar Queiroz, a falta de respeito por parte dos motoristas e motociclistas junto às regras do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), é a apontado como o fator principal na geração de acidentes. Apesar das alterações articuladas pela Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), a periculosidade permanece causando receio aos frequentadores da via.

“Foram instaladas travessias para pedestres, semáforos em várias partes da avenida, placas de sinalização e mesmo assim os acidentes continuam ocorrendo. Se pegarmos o histórico das perícias vamos observar que o desrespeito às leis de trânsito – em especial à velocidade limite -, é o fator principal desses casos lamentáveis e preocupantes ao mesmo tempo. As ações no contexto da engenharia estão sendo realizadas, basta agora a população buscar conduzir um veículo e atravessar uma avenida desse porte com mais responsabilidade e segurança”, declarou. Somente no segundo semestre do ano passado seis pessoas perderam a vida na extensão da avenida. Um dos condutores, causador de sinistro com óbito, foi flagrado em estado de embriaguez.

Entre as ocorrências chama a atenção, também, o índice de impactos vitimando ciclistas. Em 26 de agosto do ano passado um jovem morreu após ser atropelado por um ônibus que faz a linha 040-Marcos Freire/DIA. Segundo relatos do motorista, o ciclista estava na contramão e por descuido acabou se chocando de forma frontal com ônibus. Como impacto e freio brusco, dois passageiros se machucaram e também necessitaram de assistência médica. Segundo o agente de trânsito Alisson Filho, não é difícil se deparar com ciclistas transitando fora das ciclovias e promovendo manobras arriscadas. Ele compartilha com as declarações do engenheiro, e ressalta a necessidade de seguir as orientações dos órgãos competentes.

“As orientações são feitas diariamente. Nós trabalhamos muito com a educação no trânsito, mas infelizmente muitos acabam não respeitando as medidas. Também entendo que a partir do momento em que as pessoas começarem a tratar o trânsito com mais seriedade e como fator de risco à integridade física, esses casos de acidentes graves vão reduzir mais da metade não só na Avenida Tancredo Neves, como também em todas as outras vias da capital”, disse. (Milton Alves Júnior)