Bancários fazem protesto contra plano de demissões na Caixa

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 13/01/2017 às 00:48:00

Bancários sergipanos promoveram uma série de atos públicos no dia de ontem para protestar contra o plano de reestruturação da Caixa Econômica Federal. Segundo avaliação feita pela categoria, desde o final do ano passado a executiva nacional do banco tem trabalhado a favor da modalidade 'aposentadoria incentivada', que visa reduzir o número de servidores e consecutivos gastos mensais. Caso o projeto se desenvolva, a perspectiva é de 10 mil desligamentos até o próximo ano. O Estado de Sergipe está na lista de redução funcional da Caixa.

De acordo com Ivânia Pereira, presidente do Sindicato dos Bancários do Estado de Sergipe (SEEB), a Caixa Econômica Federal é uma instituição bancária de vasta importância na história do Brasil, e, em pleno aniversário de 156 anos, segue fortalecendo a reestruturação que deve prejudicar milhares de famílias em Sergipe. Durante o ato público ainda foi ressaltada a força econômica da Caixa que favoreceu ao desenvolvimento habitacional no país, mas que, com este plano, deve entrar na linha do retrocesso e prejudicar, inclusive, o progresso do país. A meta dos bancários regionais é intensificar a luta e inviabilizar as propostas administrativas do grupo.

"Não podemos aceitar calados este tipo de mudança drástica proposta pela Caixa em todo o país e que irá atingir também os nossos colegas que atuam aqui em nosso estado. Como presente pelos 157 anos de fundação os funcionais recebem essa proposta que pretende, além das aposentadorias, reduzir postos de atendimento, crédito para os clientes e um serviço de qualidade exemplar. Justamente no dia do aniversário estamos mobilizados para evitar essa medida lamentável", disse. Para dar seguimento ao movimento sindical, a direção do SEEB está se reunindo para debater o calendário de protestos a ser realizado na capital e no interior.

Em números, apenas no setor de gerentes para pessoas jurídicas a meta é reduzir de 29, para nove profissionais. Ainda de acordo com Ivânia, paralelo aos bancários, os próprios clientes tendem a se prejudicar com a baixa efetiva. "O número de clientes continua crescendo devido aos bons serviços preparados pelo banco, e a Caixa decide reduzir postos e servidores justamente neste período de ascensão. A classe trabalhadora é contra esse plano e vamos seguir na luta em prol de todos", pontuou. O calendário de manifestações deve ser apresentado até o final deste mês. (Milton Alves Júnior)