Jackson solicita liberação de recursos para municípios afetados pela seca

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 14/01/2017 às 00:17:00

Em mais um desdobramento da reunião com o presidente Michel Temer, o governador Jackson Barreto, acompanhado do coordenador da Defesa Civil de Sergipe, coronel Mendes, solicitou ao ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, agilidade na análise do Plano de Resposta para liberação de recursos para ajudar os sergipanos dos 23 municípios que enfrentam uma das mais graves secas da história do estado e já se encontram em situação de emergência.

“A estiagem afeta a economia do estado e a vida dos moradores desses municípios que estão sem conseguir se manter sem a água, principalmente, os pequenos produtores que sobrevivem da agricultura ou pecuária. Se não vier ajuda, e rápido, teremos grandes perdas. Foi isso que eu disse ao presidente Temer e ele prontamente ligou para o ministro Helder Barbalho e pediu uma atenção especial para Sergipe”, disse o governador.

O Plano, apresentado ao Ministério da Integração pelo Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil (Depec) do Estado de Sergipe, no valor de R$ 7 milhões, está sob análise do Centro Nacional de Gerenciamento de Desastres da Secretaria Nacional de Defesa Civil. O principal pleito é o aumento do número de caminhões-pipas nos dez municípios que já estão recebendo o programa, mas com água insuficiente para atender às suas necessidades e a imediata inclusão dos treze municípios que já estão reconhecidos em estado de emergência. A Operação Caminhão-Pipa Federal é realizada pelo Exército Brasileiro.

O governador afirmou que as medidas de abastecimento do Exército não estão atendendo as demandas da população, pois, de acordo com a Defesa Civil Estadual, determinados municípios têm um número de habitantes superior ao indicado pelos levantamentos da ação federal. Jackson usou como exemplo o município de Porto da Folha, um dos maiores em termos territoriais do estado, afirmando que o abastecimento, que antes era feito com 30 caminhões-pipa, hoje está sendo feito com apenas seis.

"O Exército alega que está atendendo a demanda, mas o povo diz que não, e tem reclamado bastante do sofrimento pelo qual tem passado nesse período de seca”.

O governador pediu que os municípios, que já estão na lista da operação, tenham uma ampliação no número de caminhões-pipa, e os municípios que não fazem parte dessa lista, sejam incluídos. “Se já há portarias do Governo Federal reconhecendo o estado de emergência desses municípios, não há justificativa para que todos não sejam atendidos. Nós já estávamos com 11 municípios em estado de emergência e hoje chegamos a 24. Todos enquadrados nas normas ministeriais. Acontece que há três meses, nós lutamos para que esses outros 13 municípios recebam o benefício, mas até hoje não tivemos uma atenção do Exército. Esses municípios não estão sendo abastecidos. Pedi que houvesse uma ampliação dos que já estão sendo beneficiados, e a inclusão desses novos no serviço do carro pipa. Hoje eu preciso sair daqui com uma decisão concreta”, cobrou Jackson.

O ministro Helder Barbalho ligou para o coronel responsável pela operação e cobrou explicações, além de pedir celeridade para resolver esse problema de Sergipe. O Departamento Nacional da Defesa Civil reconheceu o equívoco que está sendo cometido com o estado e se comprometeu em saná-lo.

Também foras tratadas outras ações emergenciais de combate aos efeitos da seca, cujos recursos já tinham sido liberados pelo presidente Temer. Os objetivos são destinar R$ 4 milhões para aquisição de material forrageiro e R$ 3 milhões para perfuração de sistemas simplificados de abastecimento, a fim de minimizar os impactos da seca e melhorar a qualidade de vida de 332.243 pessoas afetadas pelos efeitos da estiagem.