Campanha ‘Sou Amigo do Samu – não passo trote’ chega a Nossa Senhora do Socorro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/01/2017 às 00:42:00

Para conscientizar a população sobre os prejuízos causados pelos trotes telefônicos, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192 Sergipe) realizou mais uma ação educativa da campanha “Sou amigo do Samu - não passo trote!”. Desta vez, o local escolhido foi o Shopping Prêmio, no município de Nossa Senhora do Socorro. A ação iniciou na tarde de ontem, 12, e encerrou no final desta sexta-feira, 13.

A ação começou com uma blitz educativa na porta do shopping, com entrega de panfletos e adesivos (alertando sobre os riscos das ligações falsas) feita pela equipe do Samu e da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) de Nossa Senhora do Socorro e de Aracaju.

“Aproveitamos as férias escolares para realizar essa ação porque as crianças ficam ociosas em casa. Nada melhor do que trazê-las ao shopping para que,  além do lazer, possam entender os malefícios causados pelos trotes,  como também conhecer o funcionamento do Samu”, explicou o coordenador do Núcleo de Educação Permanente do Samu (NEP), Ronei Barbosa.

A iniciativa contou também com o grupo teatral “Cones”. A apresentação deixou crianças e pais atentos. Os atores encenaram sobre jovens que ficam passando trote para vários estabelecimentos e, em seguida, passa o trote para o Samu.

A superintendente do Samu 192 Sergipe, Lúcia Santos, alerta sobre os riscos de passar trote para o serviço. “Ligação falsa é crime e traz consequências para o serviço. Uma equipe do Samu se desloca para atender a ocorrência que não é verdadeira, podendo atrasar um atendimento real. Há também o prejuízo financeiro porque o deslocamento de uma equipe leva gasto de combustível, de equipamentos e materiais, sem falar no desgaste psicológico das equipes”, pontua Lúcia.

Ainda de acordo com a gestora, “os telefonistas atendem várias ocorrências em um intervalo muito curto de tempo. A chamada falsa estressa o profissional que está preparado para atender, com eficiência, uma ocorrência real. Outro transtorno é a ocupação das linhas telefônicas com os trotes. Naquele momento, alguém pode estar precisando ligar e tem uma linha ocupada com uma ocorrência falsa. Os prejuízos são inúmeros por essa prática de péssimo gosto”.

No ano de 2016, das 103 mil chamadas recebidas pelo Samu, 48.421 foram trotes.