Incêndio destrói fábrica de colchões do Porto d’Anta

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto



Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/01/2017 às 00:08:00

O segundo incêndio de grandes proporções registrado em uma semana na capital aconteceu ao final da noite deste sábado. Foi na fábrica de colchões Borgespuma, situada no bairro Porto D’Anta (zona norte). Segundo o Corpo de Bombeiros (CBMSE), o fogo começou por volta das 23h, quando vizinhos perceberam um forte cheiro de fumaça e o início das chamas.  O fogo se espalhou rapidamente por grande parte da fábrica, em virtude da imensa quantidade de materiais combustíveis, como espuma, plástico, tecido, madeira, vários tonéis de líquidos inflamáveis.

Seis equipes dos quartéis de Aracaju e Nossa Senhora de Socorro foram mobilizadas e conseguiram fazer a retirada, sem danos, de três caminhões de outras empresas que se encontravam em uma garagem, no fundo do galpão. De acordo com o aspirante Roberto Mesquita, oficial que comandou a ocorrência, foi necessário o uso do Auto-tanque (AT), viatura bitrem com capacidade de transportar 40 mil litros de água. Para controlar o fogo, foi utilizado líquido gerador de espuma (LGE), para retardar a propagação das chamas. O combate durou até o início da manhã de domingo e não houve registro de vítimas.

Uma equipe da Energisa foi chamada para desligar a energia elétrica na região da fábrica, pois havia dois pontos que passavam energia de alta tensão, provocando curtos entre eles, vindo a cair na estrutura metálica que cercava o galpão, tornando o ambiente. Enquanto aguardavam, os bombeiros resfriavam as residências vizinhas e uma pequena fábrica de pintura de motocicletas, que possuía uma grande quantidade de tintas, que são extremamente inflamáveis. A Polícia Militar também foi chamada para isolar os muitos curiosos que cercavam a área da fábrica e desrespeitavam a linha de isolamento.

As possíveis causas do incêndio só poderão ser constatadas após a análise da equipe de peritos do CBMSE, que terá 30 dias para emissão de um laudo técnico, a partir da data da solicitação formal do representante da empresa. (Gabriel Damásio)