Combate à seca

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/01/2017 às 00:17:00

Combate à seca

 

Gilson Sousa

 

A seca não dá trégua em Sergipe. Já são 24 municípios em situação de emergência e outros seis com o processo em andamento. Ou seja, dos 75 municípios sergipanos, pelos menos 30 sofrem consideravelmente com a escassez de chuvas, tanto no sertão quanto no agreste. “A estiagem afeta a economia do estado e a vida dos moradores desses municípios que estão sem conseguir se manter sem a água, principalmente, os pequenos produtores que sobrevivem da agricultura ou pecuária”, resumiu o governador Jackson Barreto quando esteve em Brasília pedindo socorro ao ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho.

Por enquanto, os municípios que estão em estado de emergência são: Nossa Senhora da Glória, Pinhão, Carira, Graccho Cardoso, Itabi, Macambira, Frei Paulo, Nossa Senhora Aparecida, Ribeirópolis, Cedro, Propriá, Telha, Porto da Folha, Simão Dias, Poço Verde, Moita Bonita, São Miguel do Aleixo, Nossa Senhora de Lourdes, Poço Redondo, Gararu, Feira Nova, Monte Alegre de Sergipe, Cumbe e Canindé de São Francisco.

O governo do Estado tem em mãos um plano de atuação que precisará de pelo menos R$ 7 milhões para ser colocado em prática. O principal pleito, segundo o plano, é o aumento do número de caminhões-pipas nos dez municípios que já estão recebendo o programa, mas com água insuficiente para atender às suas necessidades, além da imediata inclusão dos demais municípios em situação de emergência. A Operação Caminhão-Pipa Federal é realizada pelo Exército Brasileiro. "O Exército alega que está atendendo a demanda, mas o povo diz que não, e tem reclamado bastante do sofrimento pelo qual tem passado nesse período de seca”, queixou-se Jackson com o ministro.

Outras medidas também estão sendo tomadas para amenizar os efeitos da seca. De acordo com o governo estadual, R$ 4 milhões estão sendo destinados para aquisição de material forrageiro e R$ 3 milhões para perfuração de sistemas simplificados de abastecimento. Isso pode amenizar o sofrimento de 332.243 pessoas afetadas pelos efeitos da estiagem. Provavelmente esta semana, o presidente da Emdagro, Jefferson Feitosa, estará em Brasília com o secretário de desenvolvimento regional do ministério, Marlo Carvalho, para agilizar o processo sobre material forrageiro.

O coordenador da Defesa Civil de Sergipe, coronel Mendes, avisou esta semana que o órgão irá contratar as perfurações de poços com a supervisão da Cohidro. São essenciais para garantir um pouco de água para os animais e até para consumo humano, mas é só um paliativo. Quanto aos caminhões-pipa, Jackson Barreto pediu ao governo federal que os municípios que já estão na lista da operação tenham mais atenção, e os municípios que não fazem parte dessa lista, sejam incluídos. “Se já há portarias do Governo Federal reconhecendo o estado de emergência desses municípios, não há justificativa para que todos não sejam atendidos”.

Ainda no final do ano passado, a Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) havia reunido diversos órgãos e montado uma força-tarefa com o objetivo de gerenciar os recursos hídricos em todo o estado, priorizando o abastecimento humano.  Para isso foi criado um grupo para fazer trabalhos de fiscalização, autuação, advertência, multa e embargo aos usuários que estão prejudicando outras pessoas em benefício próprio. Por enquanto, a medida mais enérgica foi tomada em Malhador. Ali, foram interditadas bombas de captação de água, instaladas nas barragens de agricultores que estão desobedecendo a acordo para que as plantações mais resistentes à escassez hídrica, a exemplo da mandioca, não sejam irrigadas. Neste caso, o fornecimento seria suspenso por tempo indeterminado, caso seja comprovada a ruptura do pacto.

Estão envolvidas nesta força-tarefa que busca amenizar os efeitos da seca em Sergipe a Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e Pesca (Seagri), Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), Companhias de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro) e de Saneamento de Sergipe (Deso), Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs), Pelotão Ambiental, Defesa Civil, além de presidentes de comitês de três bacias hidrográficas de Sergipe.

“A ideia é garantir que a água seja usada devidamente. Algumas pessoas [irrigantes também] abusam do uso sem a outorga da Secretaria. Fazem barragens sem licença para usar. Por isso, a Semarh está se somando a outros órgãos e entidades para coordenar as ações”, disse o secretário da Semarh, Olivier Chagas. “Precisamos de uma campanha educativa forte por parte das prefeituras, para que chamem a atenção da população com relação ao desperdício da água. Necessitamos também pôr em prática as ações contando com uma segurança jurídica”, cobrou o superintendente de Recursos Hídricos da Semarh, Ailton Rocha.

No mais, resta aos homens e mulheres de boa fé capricharem nas orações e pedir que São Pedro seja benevolente com o sertão e agreste de Sergipe já nos próximos dias. Pode ser a solução.   

 -

Limpeza

Ontem os gestores da Prefeitura de Aracaju levantaram cedo da cama para percorrer os limites entre os bairros 17 de Março e Santa Maria. Era o início da operação de limpeza que pretende recolher lixo e entulho em toda a capital sergipana nos próximos dias e regularizar a coleta. Após essa operação em caráter de mutirão, segundo o secretário de Comunicação, Luciano Correia, a Prefeitura de Aracaju vai anunciar um projeto ecológico de recolhimento do lixo.

 

Limpeza I

Muitos vereadores de Aracaju também acordaram cedo ontem para acompanhar o prefeito Edvaldo Nogueira no lançamento da campanha contra o lixo acumulado nos bairros nos últimos três meses, pelo menos. Lá no Santa Maria, o presidente da Câmara Municipal de Aracaju (CMA), Nitinho Vitale (PSD), elogiou o projeto. “Edvaldo encontrou a cidade abandonada e suja. Nada melhor do que começar a gestão tentando reorganizar a cidade. Aracaju tem que voltar ao que era há quatro anos, quando teve o título de cidade com a melhor qualidade de vida. Na época em que ele foi prefeito, eu estava como oposição, mas eu reconheço que no tempo de Edvaldo a cidade era mais organizada”, disse.

Velório

E segue a saga da violência em Sergipe. Ontem o senador Antônio Carlos Valadares (PSB) esteve presente ao velório do sargento PM Adalberto, em sua residência no bairro 18 do Forte, e criticou bastante a política de segurança pública no Estado. “Sergipe, antes uma ilha de prosperidade e paz, hoje, o Estado mais violento do Brasil. Infelizmente”, disse.

Velório I

O deputado federal Valadares Filho (PSB) também acompanhou o velório do sargento que foi barbaramente assassinado a tiros por um menor de idade que assaltava uma mercearia. “Prestei solidariedade à família e aos colegas de farda do sargento da PM Adalberto Santos Filho. É lamentável que a ausência de políticas públicas efetivas de prevenção da criminalidade e de prioridade no combate à violência coloquem Sergipe como o Estado mais violento da federação, como aponta nota da OAB Sergipe. Desejo, por fim, que os culpados sejam rapidamente responsabilizados, na forma da lei”. Ontem mesmo, ao reagir à voz de prisão, um menor acusado pelo assassinato do sargento foi morto pela polícia.

Sujeira na Arena

É vergonhoso o estado de sujeira constatado nas cadeiras plásticas das arquibancadas da chamada Arena Batistão, em Aracaju. Na noite de segunda-feira, ao chegarem ao estádio para a partida entre Confiança e Botafogo de Cristinápolis, os torcedores ficaram horrorizados com as cadeiras imundas, cobertas de poeira e até com teias de aranha. Um descaso com o torcedor que paga caro pelo ingresso (R$ 40 nas brancas e R$ 20 nas azuis e vermelhas) e não recebe um serviço sequer razoável. O futebol não merece isso. Quanto ao jogo, terminou com o placar de 3 a 0 para o Confiança.

BNB Itabaiana

A população de Itabaiana irá pagar um preço alto ao Banco do Nordeste por causa, supostamente, de problemas administrativos com origem em empréstimos financeiros tomados pelo empresário Edvan Amorim no passado. Empréstimos tomados, é bom frisar, em Minas Gerais, e não em Itabaiana. Mesmo assim, o banco confirmou ontem ao Portal Infonet que a agência Luiz Magalhães, em Itabaiana, será desativada. E esta será a única agência do banco estatal a ser desativada em Sergipe, entre as 19 agências que serão fechadas no país.

Fechamento estranho

A explicação do BNB para o fechamento das agências no país é o “realinhamento estratégico e de melhoria de eficiência operacional e readequação da rede de atendimento”. Ou seja, não justifica nada. No entanto, os funcionários das agências desativadas serão realocados. “O Banco do Nordeste reafirma seu compromisso em promover o desenvolvimento sustentável, o bem-estar das famílias e a competitividade das empresas da Região”, diz a nota da instituição. Em tempo: Itabaiana é a cidade mais rica e mais produtiva do interior de Sergipe. Por isso soa muito estranho esse fechamento de uma agência bancária.

Partido novo

O Brasil tem 35 partidos políticos registrados oficialmente na Justiça Eleitoral. Mas tem também uma lista enorme de outros partidos pleiteando reconhecimento. Entre eles, o Partido do Pequeno e Microempresário Brasileiro. “Vivemos uma crise política e econômica que afeta toda a sociedade. Ainda assim, a política é o instrumento mais adequado para a promoção das mudanças necessárias ao bem estar da população”, garante o presidente da sigla, Amarildo Gomes de Oliveira, que é economista, professor universitário e microempresário. Ele procura interessados em ingressar no partido. Os contatos são através do site www.inovabrasil.net.br.

 

 

FRASE

“Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem”

Santo Agostinho