Eliane Aquino imprime um novo ritmo à assistência do município

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/01/2017 às 21:39:00

À frente da Secretaria Municipal da Família e da Assistência Social, a vice-prefeita Eliane Aquino já mostrou a que veio no momento de sua posse. Assim que assinou o documento, solicitou ao prefeito Edvaldo Nogueira a alteração do nome da pasta para Secretaria Municipal da Assistência Social e Cidadania (Semasc). A sigla ficou muito conhecida na época das gestões de Marcelo Déda e Edvaldo Nogueira na Prefeitura de Aracaju e representa, acima de tudo, um modelo diferenciado de concepção do trabalho da Assistência Social.

“Vamos trabalhar a assistência social como deve ser: uma política pública garantidora de direitos. Não há mais espaço para práticas meramente assistencialistas. Queremos empoderar nosso povo e estimular o seu desenvolvimento”, afirma Eliane.

E é justamente com esse novo olhar para a Assistência que já foi possível, ainda na primeira quinzena da gestão, ver equipes da Semasc percorrendo vários pontos da cidade na realização de uma abordagem social junto aos moradores de rua. A orientação é mapear quem são essas pessoas, os motivos que as levaram às ruas e traçar estratégias para o encaminhamento desse público a serviços que os ajudem a ter uma vida mais digna.

Outra ação relevante já realizada foi o cadastro das 468 famílias que ocupam o empreendimento Vida Nova, no bairro Santa Maria. Os dados coletados serão utilizados inicialmente para o cruzamento de informações com o cadastro de habitação realizado pela gestão anterior e também para que as famílias sejam acompanhadas e encaminhadas aos Centros de Referência da Assistência Social das suas comunidades de origem.

A secretaria também regularizou o pagamento do auxílio moradia em atraso de mais 1300 beneficiários. Já nesta terça, 24, após o cumprimento dos prazos necessários à operação bancária, as famílias poderão sacar o valor do benefício. O secretário adjunto da Semasc, Valdiosmar Vieira, diz que o processo de regularização exigiu muito empenho dos técnicos da pasta. “Com todo esse processo de crise econômica, com esse déficit de mais de meio bilhão de reais que a prefeitura tem, o prefeito teve como prioridade, nos primeiros 15 dias de governo, regularizar essa situação. Não foi fácil, não foi simples, mas foi uma medida extremamente importante, mostrando o compromisso com a área social que essa gestão tem”.

 

Direitos Humanos - Outra inovação foi a criação de uma coordenadoria de Direitos Humanos na Semasc. A idéia é manter uma equipe no âmbito municipal trabalhando pelo enfrentamento a todas as formas de discriminação e preconceito, seja por orientação sexual, crença religiosa, etnia, sexo, idade, origem ou perfil socioeconômico.  Além da participação ativa em colegiados ligados ao tema e articulações que enfrentem a violação de direitos, a coordenadoria terá ainda dentre suas funções promover ações que estimulem a compreensão e o respeito à diversidade humana em todas as suas formas.

Ao lado do prefeito Edvaldo Nogueira, a vice-prefeita também fez questão de reunir todos os profissionais da pasta para apresentar a nova equipe de diretores e ouvir as expectativas do grupo. A abertura para o diálogo e a transparência dos novos gestores trouxe um novo sopro de esperança e otimismo para a equipe de servidores. "São quatro anos calada e abafada, há quatro meses eu ia desistir da Assistência Social. Estávamos acostumados a ter voz e isso morreu por um tempo, mas agora ressurgiu. A gente quer participar da reconstrução da Assistência em Aracaju e acreditamos que agora será possível", ressaltou a assistente social Michele Oliveira, servidora municipal desde 2011, que falou sobre a expectativa compartilhada por muitos profissionais que atuam na Assistência Social do município de Aracaju.

Além do diálogo aberto com os gestores, os trabalhadores do Suas também foram beneficiados com a criação da coordenadoria de Vigiliância Socioassistencial e de Gestão do Suas, que será, dentre outras funções, responsável por promover a formação continuada dos profissionais.  A idéia é não só valorizá-los, mas também oportunizar condições para a melhoria da qualidade dos serviços prestados à população.