Ensino médio integral em 18 escolas divide opiniões em Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 21/01/2017 às 22:02:00

Milton Alves Júnior

 

Até janeiro de 2020 o Governo de Sergipe, em parceria com o Ministério da Educação (MEC), estará ofertando 18 unidades escolares com ensino integral. A medida foi anunciada pelo presidente Michel Temer e estabelecida por Medida Provisória nº 746, datada em 22 de setembro de 2016. Apesar de muitos pais mostrarem satisfação em poder deixar o filho estudando nos dois turnos, se qualificando, assim, para enfrentar o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Sergipe (Sintese) tem se mostrado contra o investimento e busca mobilizar a categoria para protestar contra a Secretaria de Estado da Educação (SEED).

Segundo o sindicato, com a implantação dessas escolas vários alunos ficarão sem espaço para estudar e professores perderão espaço de trabalho. O debate resulta na seguinte indagação: com a atual quantidade de escolas fica impossível garantir vaga para todos os estudantes já que 18 delas se transformaram em espaço exclusivo para aqueles que estudam no turno da manhã, ou seja, a categoria acredita que um turno de vagas será extinta da grade. Em contraponto, o setor governista esclarece que neste início de ano o Governo Federal estará investindo cerca de R$ 230 milhões na promoção dessas unidades.

Ainda conforme previsão financeira do Ministério da Educação, cada aluno matriculado neste sistema estará rendendo ao estado um investimento orçado em dois mil reais. Para muitos pais, a inclusão do ensino integral tem sido avaliada com olhar positivo. Com uma filha de nove anos, e outra de 12, matriculadas em unidades da rede estadual, o servidor público Alexssandro Santana dos Santos acredita que o Sintese está observando a medida apenas com interesses pessoais, os quais buscam beneficiar exclusivamente os anseios da categoria. Ele garante que desde 2014 vem cobrando aos gestores públicos a oferta de escolas com acompanhamento integral.

"Lembro que pedi a Jackson Barreto e Eduardo Amorim que se fossem eleitos realizassem o sonho de muitos pais que é deixar o filho pela manhã e só pegar no final da tarde. Isso ajuda a quem trabalha o dia todo, e principalmente a eles (alunos) que certamente terão uma base melhor para enfrentar o vestibular (Enem). Ser contra esta medida demonstra que o sindicato está preocupado apenas nas vagas dos professores e não na melhoria da educação", criticou. Na tentativa de mudar este conceito e abranger o debate, o Sintese está realizando debates públicos. Na semana passada o encontro ocorreu no auditório da Escola Municipal Getúlio Vargas, em Aracaju.

 

Cadastramento - Entre as escolas escolhidas para proporcionar a mudança na metodologia de ensino estão, em Aracaju, as unidades: Centro Educacional Ministro Marco Maciel, C.E. Governador Valadares, C.E. Nelson Mandela, C.E. Gov. João Alves Filho, e C.E. Paulo Freire; já no município de Nossa Senhora da Glória será o C.E. Manoel Messias Feitosa; em Estância o C.E Senador Walter Franco; em Porto da Folha o C.E. Gov. Lourival Baptista; já no município de Capela o C.E. Edelzio Vieira de Melo; em Nossa Senhora das Dores, C.E. Prof. Fernando Azevedo; em Simão Dias o C.E. Dr. Milton Dortas; na segunda cidade mais populosa de Sergipe, Nossa Senhora do Socorro o MEC optou pelo C.E. Prof. Nilson Socorro.

Ainda foram alterados os centros educacionais Professor Abelardo Romero Dantas, em Lagarto; C.E. Mal. Pereira Lobo, em Neópolis; Coronel José J. Barbosa, em Siriri; C.E. Leandro Maciel, em Rosario do Catete; e, por fim, o Centro Educacional Gaspar Lourenço, na cidade de São Cristóvão. Durante reunião realizada no interior do estado com dirigentes escolares e professores, o secretário de estado da educação, Jorge Carvalho, esclareceu que: "A discussão está só começando e os educadores, estudantes e pais terão papel fundamental na definição do novo ensino médio". A med ida provisória 746/2016  proporciona o fim da obrigatoriedade de algumas disciplinas, e aumenta a carga horária, de 800 para 1.400 horas/aula.