Área de posto de saúde na Euclides Figueiredo é invadida

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/02/2017 às 00:13:00

Milton Alves Júnior

Abandonado há mais de dois anos, um prédio público municipal, onde já funcionou um Posto de Saúde, agora abriga mais de 120 moradores de ruas. A ocupação teve início no primeiro trimestre do ano passado quando famílias sem teto decidiram invadir o espaço e se agrupar junto aos familiares enquanto o poder público não dispõe de imóveis populares construídos com verbas governamentais. O espaço fica localizado na Avenida Euclides Figueiredo, zona Norte de Aracaju, e recepciona, entre outros habitantes, as famílias oriundas do assentamento Santa Maria, no bairro Siqueira Campos. Conforme dados da Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania (Semasc), cerca de 1.400 famílias estão cadastradas e aguardam a doação de imóveis.

Nascida no município alagoano de Piranhas, Maria Edênia Silva, de 38 anos, disse não possuir amigos e familiares em Sergipe onde pudesse morar junto com o marido e dois filhos. Sem perspectiva de futuro, ela pede o apoio dos direitos humanos e dos gestores estaduais.

 

 

“Em 2001 eu vim morar aqui em Aracaju com a esperança de ter uma vida melhor do que a que eu tinha lá (Piranhas), mas o que aconteceu foi tudo ao contrário. Morei de aluguel por três anos, perdi o emprego e desde lá estou morando nas ruas, ou de ocupação em ocupação, por fala de oportunidade. Vivo na miséria e rezo direto para que os políticos possam nos ajudar; se a prefeitura não tem condições, então que o estado ajude. O que não podemos é viver nossa vida nessa tristeza”, lamentou.

Até o ano passado cerca de 1.200 pessoas recebiam auxílio moradia; a quantia mensal equivale a até R$ 400.