‘André Bomba’ é condenado a 85 anos por chacina

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 05/02/2017 às 00:48:00

Gabriel Damásio

 

Marcos André Andrade dos Santos, o ‘André Bomba’, 32 anos, foi condenado a 85 anos, três  meses e 18 dias de prisão pelo Tribunal do Júri da Comarca de Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Em julgamento realizado nesta sexta-feira, o réu foi considerado culpado pela chacina ocorrida em 1º de fevereiro de 2014, em uma residência do Conjunto Marcos Freire III. Na ocasião, ele assassinou a própria esposa, Vanessa Almeida Sobral e os filhos dela, Thiago Sobral Valença e Osvaldo Pereira dos Santos Junior, que tinham respectivamente 15 e nove anos de idade.

A condenação foi decidida após uma audiência que durou quase sete horas, pela maioria das sete mulheres escolhidas como juradas. ‘Bomba’ foi punido por três crimes de homicídio qualificado, um de estupro de vulnerável e um de indução ao uso de drogas (crime previsto na atual Lei Antidrogas). Isto porque, após esfaquear as três vítimas, ele obrigou uma sobrinha da vítima, à época com 13 anos, a cheirar cocaína enquanto era violentada.

As penas aplicadas pelo juiz Marcel Maia Montalvão, da 2ª Vara Criminal de Socorro, foram consideradas altas, exatamente como queria o Ministério Público. Para o promotor Rivaldo Frias, responsável pelo caso, o crime foi “o mais bárbaro” já ocorrido em Socorro e um dos mais graves do Estado. Já o advogado de defesa, Antônio Dantas, reconheceu a derrota de sua tese e disse que não recorrerá da sentença. “Seria inútil, porque nem o Tribunal [de Justiça] irá reformar”, admitiu.

A irmã de Vanessa, Ana Paula Souza, que participou do julgamento como testemunha de acusação, disse ao JORNAL DO DIA que o resultado foi bem recebido pelas famílias das vítimas. “Pra família, isso foi um alívio. Nós queríamos que ele estivesse em prisão perpétua, mas pelo menos a pena foi alta. Não vai trazer a vida deles de volta, mas nos consola saber que ele vai pagar o que fez e não será solto em poucos dias. Achamos que a sentença foi justa”, disse ela, acrescentando que, passados dois anos, a tragédia ainda não foi superada. “Não tem como superar. Isso não vai sarar nunca, que foram três vidas perdidas, duas crianças que se foram. Podem passar 100 anos, mas eu sempre vou ver eles como crianças”, lamenta a irmã, referindo-se aos sobrinhos Thiago e Osvaldo Júnior.

O julgamento de ‘André Bomba’ foi acelerado porque as testemunhas de defesa foram dispensadas do depoimento, em comum acordo do juiz com as duas bancas. Já os arrolados pela acusação confirmaram todo o relato apurado pela polícia. Vanessa e os filhos foram mortos com várias facadas enquanto dormiam, tendo sido pegos de surpresa. Após assassiná-los, André amarrou a sobrinha e começou a estuprá-la, afirmando que também iria matá-la. Em seu depoimento ao juiz, o réu confessou as mortes e admitiu ter usado cocaína e aguardente na noite do crime, mas não soube dizer porque matou as vítimas e, quanto ao estupro, ele alegou que estava “descontrolado” por causa do efeito de drogas.

‘Bomba’ foi preso cinco dias depois da chacina, dentro de um ônibus que foi cercado por policiais militares em frente ao Iate Clube, na 13 de Julho. Ele chegou a ser agredido e xingado por parentes das vítimas. Depois, foi indiciado e mandado para um presídio, não revelado, onde cumpriu os dois anos de prisão preventiva, abatidos da sentença final. A maior parte da pena deve ser cumprida em regime fechado. O crime do Marcos Freire III chocou o estado e ganhou destaque em todo o mundo, porque um dos meninos assassinados, Thiago, era membro de um fã-clube da cantora caribenha Rihanna, que ao ser avisada do crime por outros fãs brasileiros, prestou homenagem às vítimas nas redes sociais e se ofereceu para ajudar suas famílias. (com informações da TV Atalaia)