Preso da ‘Operação Concórdia’ é condenado a 21 anos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/02/2017 às 07:46:00

Em julgamento realizado nesta segunda-feira no Fórum Gumercindo Bessa, o 1º Tribunal do Júri da Comarca de Aracaju condenou o réu Anderson Neres dos Santos, conhecido como ‘Satanás’ ou ‘’Nego Anderson’. Ele foi considerado culpado pelo assassinato de Givaldo Pereira dos Santos, ocorrido em 21 de março de 2015 no Conjunto Padre Pedro, bairro Santa Maria (zona sul). Por este crime, ‘Satanás’ foi punido com 21 anos e oito meses de reclusão em regime fechado.

O réu foi preso dois meses após o crime, durante a ‘Operação Concórdia’, deflagrada pelas polícias Civil e Militar para combater quadrilhas que disputavam o controle do tráfico de drogas no Santa Maria. A morte de Givaldo foi um dos cerca de 50 homicídios investigados pela operação e atribuídos às quadrilhas, também acusados por tráfico e assaltos à mão armada. Segundo relato de testemunhas, o crime foi motivado por esta disputa, pois Givaldo seria integrante do grupo liderado por Adriano Gonzaga Santos, o ‘Mago’, foragido desde novembro de 2014.

O julgamento de Anderson durou cerca de quatro horas, pois as bancas de acusação e defesa dispensaram as testemunhas e não usaram o direito de réplica nos debates. A denúncia do Ministério Público afirma que Anderson e outro homem atacaram Givaldo na calçada de uma mercearia e, após persegui-lo até um balcão, arrastaram a vítima até a calçada, matando-a em seguida com vários tiros. A ação foi gravada pelas câmeras de segurança da mercearia. Durante o processo, Anderson confessou a autoria do assassinato, mas alegou ter agido por vingança, pois teria sido ameaçado de morte.

O promotor Deijaniro Jonas Filho atuou na acusação e pediu a condenação do réu à pena máxima, por homicídio duplamente qualificado. Já o defensor público Jorge Valença Menezes atuou na defesa e pediu a absolvição de Anderson, argumentando que ele não foi o autor do crime. A tese da acusação venceu por maioria dos jurados. A sentença cabe recurso em segunda instância.

-