Jackson pede mais união para conquistar recursos para Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/02/2017 às 00:04:00

Em entrevista ao programa Balanço Geral, da TV Atalaia, n esta quinta-feira, 09, o governador Jackson Barreto falou sobre a importância da unidade da bancada sergipana junto ao Governo Federal em defesa dos interesses do estado. “Se estivéssemos todos unidos, pensando de uma forma só na defesa dos interesses do estado, claro que nós teríamos condições de receber mais recursos junto ao Governo Federal. De uma bancada de 11 parlamentares, um pouco mais que a metade está consciente de que é preciso foco nas reivindicações, naquilo que o estado tem interesse junto ao Governo Federal. Se um puxa para o lado e outro puxa para o outro, quem sai perdendo é o estado de Sergipe e a população sergipana”, apontou.

Jackson Barreto explicou que, apesar da confirmação dos recursos, em solenidade ocorrida nesta terça-feira, 07, em Brasília, o dinheiro já havia sido garantido ao Estado desde setembro de 2016, para compra de material forrageiro, de modo a atender os pequenos produtores. “Esses recursos foram liberados em setembro passado. Não tem nenhuma novidade. Inclusive, poderia ter sido mais se tivéssemos uma bancada unida”, destacou.

O governador frisou que é necessário continuar unindo forças para defender os interesses da população sergipana. “Temos que agregar, fazer o necessário para fortalecer, trazer ideais e viabilizar projetos”, esclareceu.

Jackson adiantou que o Governo, através de secretarias como a do Desenvolvimento Econômico, continua a trabalhar a fim de modernizar ainda mais o estado. “A Secretaria de Desenvolvimento está buscando fortalecer a política de captação de empresas, discutir novas tecnologias, inovar, pois precisamos modernizar o estado”.

 

BR-101 - O reinício das obras da duplicação da BR-101 também foi discutido na entrevista e o governador reconheceu a importância deste passo ainda que pequeno, diante do que ainda precisa ser feito. “É um passo ainda muito pequeno para uma obra que foi iniciada no governo de Fernando Henrique Cardoso, são 22 anos. Reiniciaremos a obra, mas o trecho de Capela a Propriá é de apenas 40 km. Se estivéssemos juntos, a bancada inteira, os três senadores e os oito deputados federais e o governador do Estado, teríamos conseguido mais. Eu acho que estão prejudicando ao estado, a mim, pessoalmente, não. Quando sair do governo, vou para minha casa, em paz, sabendo que eu fiz a minha parte. Se estivéssemos todos juntos, ao invés de 40 km, por que não concluir toda a parte norte do estado?”, questionou.

 

Salários - O governador falou ainda sobre a questão do calendário da folha de pagamento e das dificuldades em regularizar a situação diante da crise econômica nacional. “Esses atrasos só vão melhorar quando a situação do país melhorar. Os servidores estão recebendo com 11 dias de atraso, mas estão recebendo. Vou pedir a Deus, vou pedir a Jesus com a fé que eu tenho que me dê condições, que me permita continuar pagando os salários até o dia 11. Não é uma opção minha, não é o que o meu coração diz e não fui eu que criei essa situação”, finalizou.