Em reunião, Vereador Iran Barbosa defende a Deso como empresa pública

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/02/2017 às 00:10:00

O Vereador Iran Barbosa (PT) participou de uma reunião, na manhã desta quinta-feira (09), a convite do Sindicato dos Trabalhadores em Água e Esgoto do Estado de Sergipe – SINDISAN, com a direção da entidade e que contou com as participações do ex-vereador de Aracaju, Antônio Góis, o Goisinho, e do economista Luís Moura, coordenador do Dieese em Sergipe. Na pauta, estratégias para barrar a privatização da Companhia de Saneamento de Sergipe – Deso, como vem sinalizando o Governo do Estado.

Após externar a sua posição contrária a qualquer forma de privatização da Deso e o seu apoio total à luta do sindicato, Iran Barbosa colocou que o seu mandato está empenhado em pautar o debate sobre a importância da manutenção da Companhia como empresa pública, por seu caráter estratégico para a população, no âmbito da Câmara Municipal de Aracaju.

“Neste sentido, já estamos com algumas ações, dialogadas com o sindicato, para colocar esse debate no centro das discussões no Legislativo da Capital, pela importância da Deso para os aracajuanos. O tema do saneamento e da água, principalmente, é de interesse central de todos os setores. Então, já no próximo dia 16, estaremos promovendo, com o mandato da deputada estadual Ana Lúcia, uma Audiência Pública conjunta, que será realizada na Assembleia Legislativa, para discutir o tema e a defesa da DESO como empresa pública”, destacou o parlamentar.

Iran Barbosa apontou, ainda, que está intermediando, junto com o SINDISAN, a realização de uma Tribuna Livre na Câmara, no dia 21 de março, véspera do Dia Mundial da Água, para tratar do direito humano de acesso à água e a defesa da Deso como empresa pública. Também adiantou que está apresentando, na Câmara Municipal, um Projeto de Resolução criando a Frente Parlamentar Contra a Privatização da Deso. “Com a Frente, iremos buscar a somação de esforços dos parlamentares aracajuanos e de outras Casas legislativas em defesa da Deso como empresa pública a serviço dos sergipanos. Se privatizada, o principal interesse da Deso passará a ser o lucro. Água não pode ser tratada como mercadoria, mas como um direito essencial à vida”, entende.

 

Proibição à privatização - O ex-vereador Goisinho lembrou que a Câmara de Aracaju terá um papel central neste debate sobre uma possível privatização da Deso, já que a Lei Orgânica Municipal, graças a uma emenda que ele apresentou e que foi aprovada por unanimidade, à época, proíbe a privatização da concessão no âmbito do Município, ficando vedada, ainda, a transferência do controle acionário da empresa estatal prestadora dos serviços de saneamento básico, no caso, a Deso, para o setor privado.

“E sem a concessão de Aracaju, dificilmente uma empresa privada vai querer assumir a Deso, porque grande parte da arrecadação vem da Capital. Então, além de ações de rua e de convencimento da sociedade sobre a importância da Deso pública, é preciso que as demais Câmaras  Municipais copiem essa proposta em suas leis orgânicas para assegurar que suas concessões não caiam nas mãos de empresas privadas”, apontou o ex-vereador, para quem o Vereador Iran Barbosa cumprirá o papel importante de fazer esse diálogo com parlamentares de outros municípios, em especial da Grande Aracaju.

O presidente do SINDISAN, Sérgio Passos, destacou algumas ações que estão sendo feitas pelo sindicato contra a privatização da Deso e agradeceu pelas contribuições do Vereador Iran Barbosa, do ex-vereador Goisinho e de Luís Moura. Passos colocou, ainda, que muitas inverdades estão sendo passadas à população nos meios de comunicação, a fim de convencer a sociedade que a Deso prestará melhores serviços ser for privatizada.

Segundo ele, contrário ao que andam divulgando alguns privatistas, estudo recente da Fundação Getúlio Vargas mostra que na maior parte dos domicílios sergipanos chega água tratada – 99% de Aracaju e 90% do Estado – e a cada ano se amplia, ainda que de forma mais lenta, a rede de esgotamento sanitário.