Invasor da sede da Funcaju é morador de rua, diz perícia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 10/02/2017 às 00:19:00

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) já sabe quem é o autor do arrombamento ocorrido na sede da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), no Centro, em 22 de janeiro deste ano, de onde foram levados dois celulares e um notebook do gabinete da presidência do órgão. Segundo um laudo do Instituto de Criminalística, trata-se do morador de rua José Junior Cardoso dos Santos, que foi identificado pela perícia técnica realizada no local e chegou a ser preso nesta semana pela Polícia Militar. Os trabalhos dos peritos foram concluídos nesta quarta-feira.

De acordo com a SSP, a Criminalística fez uma análise papiloscópica das impressões digitais que foram deixadas em portas, paredes e imóveis que foram reviradas durante o arrombamento. Os peritos colheram os sinais e compararam seus detalhes com as digitais já cadastradas no sistema criminal da polícia sergipana. Isso permitiu que José Júnior fosse identificado, pois ele já era investigado por outras invasões e arrombamentos. O laudo já foi entregue à 2ª Delegacia Metropolitana (2ª DM), responsável pela apuração do caso, mas antes da detenção do morador de rua.

Ainda segundo a polícia, e foi detido na madrugada de terça-feira pela PM, após participar de um arrombamento contra um restaurante no Centro e ser flagrado. Cardoso chegou a ser levado à própria 2ª DM, onde foi reconhecido pelos donos do estabelecimento e autuado em flagrante por crime de violação de domicílio. No entanto, ele foi submetido à audiência de custódia e colocado em liberdade, mas monitorado com uma tornozeleira eletrônica. A juíza plantonista Brígida Declerc Fink argumentou que o crime tipificado tem a pena máxima de dois anos de prisão, o que não justificaria a manutenção da prisão preventiva. Já a prisão em flagrante do acusado foi convertida em termo circunstanciado. (Gabriel Damásio)