Policiais da Força Nacional começam a chegar

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/02/2017 às 00:04:00

Gabriel Damásio

 

Chegaram na manhã de ontem os 17 primeiros integrantes da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP), destacada pelo Ministério da Justiça para reforçar o policiamento e diminuir os índices de homicídios e outros crimes em Sergipe. As equipes são compostas por delegados, escrivães e agentes de polícia judiciária. A partir de hoje, eles serão integrados ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, e começarão a trabalhar nas áreas dos bairros Santos Dumont (zona norte) e Santa Maria (zona sul). Ontem, após a chegada, os policiais foram recebidos pelos colegas sergipanos e fizeram um reconhecimento dos bairros e das unidades em que irão trabalhar.

De acordo com a Secretaria Nacional da Segurança Pública (SSP), o Santos Dumont e o Santa Maria, respectivamente atendidos pelas 3ª DM e 9ª DM, respondem juntos por 40% de todos os assassinatos registrados em todo o estado nos últimos anos. “Da parte da polícia judiciária, vai ter um volume maior de inquéritos remetidos à Justiça, na medida em que haverá mais policiais trabalhando neles. São mais testemunhas a serem ouvidas e investigados conduzidos. Nós temos uma maior possibilidade de cumprimento de mandados de prisão e de buscas. E da parte da Polícia Militar, haverá uma redução mais forte dos crimes com a sua presença mais ostensiva”, avalia o delegado-geral da Polícia Civil, Alessandro Vieira.

Os integrantes da FNSP serão encarregados de acelerar e aprofundar as investigações de homicídios que ainda não foram solucionados, ouvindo depoimentos de testemunhas, fazendo diligências e participando de operações para cumprimento de mandados de prisão expedidos pela Justiça. A mesma função será exercida pelos oito policiais civis e seis peritos criminais que também serão enviados a Sergipe pelo Ministério da Justiça, os quais devem chegar a Aracaju ainda nesta semana. Conforme o delegado, os delegados, agentes e escrivães são especializados em investigações de homicídios, tendo sido aprovados por uma rigorosa seleção técnica e física, além de realizado um curso específico de capacitação da Força Nacional – também aplicado às equipes do DHPP sergipano.

Também está prevista para esta semana a chegada dos 120 policiais militares incorporados à Força Nacional. Eles virão em ‘blocos’ de comboio, trazendo viaturas, armas, equipamentos e materiais de trabalho. Segundo a SSP, não houve nenhum adiamento das datas previstas e as equipes serão enviadas de bases instaladas em Brasília (DF), Natal (RN), Maceió (AL) e Vitória (ES), entre outras. Assim que chegarem, as equipes serão distribuídas e incorporadas aos batalhões da Polícia Militar sediados em Aracaju, nos quais tomarão parte em operações de reforço do policiamento, também nas regiões do Santa Maria e do Santos Dumont.

“Já estamos desde dezembro com o planejamento pronto, já definimos quais policiais irão participar deste reforço. Esse emprego será ostensivo, com abordagens e uma série de ações visando inibir os homicídios e os crimes de violência contra a mulher”, disse o comandante de Policiamento da Capital, coronel Vivaldy Cabral, acrescentando que a Polícia Militar empregará 240 soldados nas ações conjuntas com a FNSP, o que, conforme Vivaldy, dá a proporção de dois PMs sergipanos para um policial da Força. “Nós teremos o emprego proporcional e será feito um incremento muito grande no nosso trabalho, pois além dos policiais, a Força virá com viaturas, armas e equipamentos”, destacou ele.

O uso da Força Nacional para reduzir a criminalidade em Sergipe faz parte do Plano Nacional de Segurança Pública, formulado pelo Governo Federal e no qual Aracaju foi inserida como uma das primeiras cidades beneficiadas – as outras são Natal e Porto Alegre (RS). A adesão oficial de Sergipe ao Plano foi formalizada no último dia 2 pelo então ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, em visita a Aracaju. No entanto, tudo vinha sendo negociado há oito meses e o planejamento definitivo para a vinda da Força Nacional começou em dezembro do ano passado, através de reuniões e cursos de integração com delegados e comandantes da SSP e das polícias estaduais em Sergipe.