Transferência de soldados da Radiopatrulha cria polêmica

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/02/2017 às 00:06:00

Alguns remanejamentos de oficiais e praças para integrar o Plano Nacional de Segurança começaram a criar polêmica dentro da Polícia Militar. Nesta segunda-feira, uma portaria publicada pelo Boletim Geral Ostensivo (BGO) determinou a transferência de 16 integrantes do Batalhão de Polícia de Radiopatrulha (BPRp), uma das principais unidades especializadas da corporação, para o 1º Batalhão de Polícia Militar (1º BPM), responsável por parte dos bairros das zonas sul e oeste de Aracaju. A determinação do Comando Geral foi mal recebida dentro da unidade, principalmente após a notícia de que, entre os transferidos, está o subcomandante do BPRp, major Lucas Rebello, considerado um dos mais experientes da corporação.

De acordo com a Associação dos Militares de Sergipe (Amese), um total de 40 militares da Radiopatrulha devem ser remanejados até o fim do mês. Para a entidade, a medida enfraquece um trabalho que vinha dando bons resultados no combate ao crime. “É um batalhão que está tendo um alto índice de apreensões e prisões, fazendo um excelente trabalho. Não sei como é que se faz segurança cobrindo um santo para descobrir outro. Eu acho que em time que está ganhando, não se mexe. Está se enfraquecendo a Radiopatrulha e muitos policiais estão tristes e indignados”, disse o assessor jurídico da associação, Marlio Damasceno.

O chefe de relações-públicas da PM, coronel Paulo César Paiva, explicou que as transferências do BPRp fazem parte do planejamento estratégico do Comando para reforçar as operações conjuntas com a Força Nacional nos bairros Santa Maria, 17 de Março e Santos Dumont. “São áreas conflagradas, onde há um alto índice de homicídios e precisam de um trabalho específico. Uma viatura que estava trabalhando na área da Radiopatrulha, para todo o Estado, ficará especificamente na área do 1º Batalhão, e outra ficará sob o comando do 8º Batalhão, dentro desse trabalho integrado”, disse Paiva, negando que que haja qualquer intenção do Comando em enfraquecer ou, até mesmo, extinguir o BPRp, como chegou a ser especulado nas redes sociais.