Edvaldo: Câmara de Vereadores será aliada fundamental na reconstrução de Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/02/2017 às 00:19:00

Uma mensagem baseada na união, na convergência de interesses pelo bem da cidade e no diálogo construtivo entre os poderes Executivo e Legislativo. Foi desta forma que o prefeito Edvaldo Nogueira compareceu, nesta quarta-feira (15), à sessão de abertura dos trabalhos da Câmara de Vereadores de Aracaju. Em seu discurso, ele fez um balanço dos primeiros 45 dias de seu mandato e estabeleceu as perspectivas para o primeiro ano do seu governo.

Acompanhado da vice-prefeita Eliane Aquino e dos secretários municipais, o chefe do Executivo Municipal se colocou à disposição da Câmara e pediu a colaboração dos vereadores na reconstrução da cidade. “Em todos os meus anos como prefeito, sempre tive nesta Câmara de Vereadores uma aliada fundamental para o sucesso da minha administração. Sei do compromisso de cada um dos senhores e das senhoras com a reconstrução da cidade que amamos. Por isso estou confiante. A colaboração da Câmara será imprescindível e inestimável”, afirmou o prefeito.

Ele reforçou os valores que nortearão o relacionamento da prefeitura com os parlamentares. “Nesses 45 dias, mostramos que podemos governar com consenso, de maneira democrática, respeitosa, a partir do momento em que sabemos o que queremos fazer e como fazer. Sei que, graças a Deus, eu não estou sozinho. E não me refiro apenas à minha vice, companheira de esforço e de trabalho Eliane Aquino, nem ao secretariado que divide comigo as inquietações e a disposição para o trabalho. Sei que posso contar com a Câmara. É nisso que eu acredito. Na união de todos. Na convergência dos melhores interesses pelo bem da cidade. No diálogo construtivo que, da visão plural e diversa com que uma cidade se faz, edifica algo novo, que nos faz avançar e ser melhor, sempre melhor”, afirmou.

O líder do governo municipal na Câmara, vereador Antonio Bittencourt, reforçou a disposição para o diálogo e a construção de parcerias. “Vamos trabalhar na perspectiva de resolução dos problemas da cidade e na construção do consenso, baseados no sentimento de valorização da democracia e no fortalecimento da interlocução entre os poderes e a sociedade”, disse. O líder da oposição, vereador Elber Batalha Filho, também defendeu a harmonia. “Não faremos a política do ‘quanto pior, melhor’. A oposição não precisa discordar de tudo. Podemos trabalhar com harmonia”, reforçou.

Ao fazer um balanço do início da sua administração, Edvaldo Nogueira lembrou a situação caótica em que encontrou a prefeitura da capital. “Ninguém jamais teria o direito de dizer que não sabia que a Prefeitura de Aracaju, antes um modelo de gestão e de compromisso social, estava numa situação muito difícil. Mas o que não sabíamos é que a situação era ainda pior do que imaginávamos. Não se trata apenas da dívida astronômica de R$ 540 milhões, uma dívida acumulada sem que o povo aracajuano pudesse ver qualquer resultado positivo, mas o quadro encontrado foi de caos administrativo, de descontrole absoluto jamais visto. Serviços essenciais foram interrompidos; prédios e equipamentos foram sucateados. O desrespeito ao servidor chegou a níveis alarmantes. Aracaju desceu a um patamar que nunca tinha vivido em toda a sua história”, apontou.