‘Golpe do cheque’ causa prejuízo de quase R$ 200 mil

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/02/2017 às 00:24:00

Gabriel Damásio

 

Um novo golpe praticado por estelionatários foi revelado ontem pela Polícia Civil, que divulgou as fotos de quatro homens apontados como autores do crime. Ele consiste no desconto de cheques falsificados que eram entregues por clientes nas filas de agências bancárias de Aracaju. A investigação da Delegacia de Defraudações e Crimes Cibernéticos (DDCC) começou em janeiro deste ano, a partir de denúncias por gerentes de agencias bancárias, e apurou que até o momento, bancos e clientes sofreram um prejuízo de cerca de R$ 200 mil. Os detalhes do caso foram divulgados em entrevista coletiva pela delegada Rosana Freitas, responsável pela DDCC.

De acordo com ela, os criminosos tinham vários artifícios para driblar os dispositivos de segurança das agências e convencer as vítimas a entregar-lhes folhas de cheques que seriam descontados ou depositados na boca do caixa. “Eles abordam pessoas que estão aguardando nas filas para fazer um saque junto ao caixa e, depois de se apresentarem como pessoas muito solícitas e educadas, convenciam a vítima a, ao invés de fazer o saque no caixa, trocarem o cheque com o próprio o criminoso, que oferecia o valor correspondente em espécie. Depois que essas folhas de cheques eram adulteradas, eles eram ou depositadas em conta ou apresentadas ao caixa para serem sacadas”, explicou.

Ainda segundo Rosana, as folhas cooptadas pelos bandidos tinham os seus valores alterados com canetas ou máquinas, para aumentar os valores a serem descontados das contas bancárias às quais pertenciam os cheques. Era neste procedimento que o prejuízo acontecia. “Era sempre em valores maiores. Nós tivemos adulterações, por exemplo, de um cheque de R$ 1.500,00 que foi mudado para um valor de R$ 70 mil. E depois que esse valor era debitado da conta da pessoa jurídica, essa fraude era descoberta, porque o titular daquela conta informava ao banco: ‘Olha, eu não emiti esse cheque. Eu emiti um cheque de R$ 1.500,00 e não de R$ 70 mil’. E foi a partir daí que iniciamos a investigação”, relatou a delegada.

Até o momento, quatro cheques adulterados foram identificados, somando um prejuízo de R$ 200 mil que foram efetivamente sacados dos bancos. No entanto, há a expectativa de que esse número seja maior, pois as vítimas possuem grande capital financeiro. “Os bancos que notaram esse tipo de atitude ficaram alertas e até conseguiram evitar o pagamento de mais um cheque adulterado”, revela Rosana, citando que as agências cederam as gravações de imagens dos circuitos internos de TV, que mostraram os criminosos em ação, abordando clientes e sacando os cheques.

As vítimas que foram abordadas pelos golpistas também foram localizadas e, em depoimentos no DDCC, confirmaram como acontecia a abordagem e a tática de convencimento deles. “São pessoas educadas, bem-vestidas, que não levantam suspeitas. Alguns até têm uma idade avançada. Eles chegam, puxam conversa, colocam-se como pessoas solícitas, pra que as pessoas que estejam portando cheques se sinta à vontade de fazer aquela transação sem notar que se trata de um crime”, acrescenta Freitas. Ela também orientou que os correntistas bancários nunca aceitem esse tipo de auxílio de terceiros, pois eles oferecem risco de golpes, mesmo sem levantar suspeitas.

Se você reconhecer ou tiver alguma informação sobre os estelionatários, pode fazer a denúncia através do aplicativo Disque Denúncia SE, disponível em todas as plataformas virtuais, ou pelo telefone 181. A ligação é gratuita e o denunciante não precisa se identificar.