Bandidos fazem três assaltos em rua do Centro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/02/2017 às 00:23:00

Três assaltos seguidos aconteceram ao longo da manhã de ontem em plena Rua Santa Luzia, no centro comercial da capital. As ocorrências chamaram a atenção pela violência e pela ousadia dos bandidos, que, em um dos casos, chegaram a disparar tiros para intimidar pessoas que tentavam persegui-los. O primeiro caso aconteceu por volta das 8h em uma escola profissionalizante particular, cujos alunos ficaram em estado de choque.

Segundo testemunhas, um bandido bem vestido entrou no local e mostrou um revólver que estava embaixo da cintura, anunciando o assalto. Em seguida, ele rendeu os estudantes e mandou que todos deitassem no chão e entregassem os telefones celulares, colocando tudo em uma mochila. O ladrão pegou também dois monitores de computador e outros objetos. Depois, ele desceu, roubou os funcionários e saiu correndo em direção à Praça Olímpio Campos, ao lado da Catedral Metropolitana. Na fuga, ele deu o tiro na direção do grupo de funcionários que o perseguiu. Testemunhas informaram que o marginal fugiu na garupa da moto de um comparsa, que esperava por ele em frente à Câmara Municipal.

O outro assalto aconteceu contra um pedestre que passava pelo local, às 10h20, e teve seus pertences roubados. Quase três horas depois, às 13h20, um terceiro ladrão roubou uma segunda loja da rua, a 11 casas da escola profissionalizante. A proprietária relatou que o bandido entrou calmamente na loja, sacou a arma e tomou o celular dela, além de levar as mercadorias que estavam expostas. Também nestes dois casos, os criminosos fugiram de moto com outros comparsas.

Os comerciantes da região afirmam que os três assaltos não foram praticados pelos mesmos criminosos, atribuindo o problema à falta de policiamento na região do Centro. “Ele foi embora calmamente, porque ele sabe que aqui não tem segurança, e nós também. Nesses quatro meses que eu estou aqui [na Santa Luzia], eu nunca vi polícia passar por aqui. A gente precisa de polícia na rua”, disse uma das vítimas. Os casos serão apurados pela 2ª Delegacia Metropolitana (2ª DM).

-