Entrevista Fernando Mota

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto


Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 25/02/2017 às 10:21:00

Entrevista Fernando Mota

“O Banese trabalha na busca da excelência na geração de valor para os clientes”

 

Presidente do Banco do Estado de Sergipe (Banese), Fernando Mota exalta o engajamento dos funcionários do banco para obter um desempenho “excepcional”, segundo ele, no exercício de 2016. “A busca da excelência na geração de valor para os clientes é um dos principais fundamentos da visão estratégica do banco, que encerrou o ano de 2016 com cerca de 570 mil clientes ativos, sendo 95% pessoas físicas e 5% pessoas jurídicas”, informa.

Otimista com a economia do país, o presidente Fernando Mota garante que 2017 será um ano produtivo para o Banese. “Estamos bastante confiantes na recuperação econômica do país, tanto que projetamos crescimento de cerca de 8,5% de nossa carteira de crédito total, que inclui o crédito comercial e de desenvolvimento (industrial, imobiliário e rural)”, garante Mota.A seguir, leia a entrevista na íntegra.

 

Jornal do Dia – Presidente, qual a avaliação que o senhor faz do desempenho do Banese em 2016? O índice de crescimento foi o esperado?

Fernando Mota - O resultado no exercício de 2016 foi excepcional. Obtivemos um lucro líquido de R$ 65,5 milhões, superando até mesmo as nossas projeções.

 

JD - O que possibilitou esse desempenho do banco em 2016?

FM - O desempenho positivo do banco foi consequência do engajamento do seu corpo funcional que possibilitou a superação das metas planejadas. Além disso, outros fatores contribuíram fortemente para o resultado alcançado, como o crescimento de 6,3% do volume das operações de crédito, acima do que foi verificado em todo o estado de Sergipe (3,9%), segundo dados do Banco Central. As captações totais cresceram 11,6%, contribuindo para alavancar as aplicações financeiras e as operações de crédito no varejo. O incremento das operações de crédito e a disponibilização de novos serviços contribuíram para o crescimento das receitas, fazendo com que as rendas totais registrassem um crescimento de 19,1%.

 

JD – O Banese acompanha a evolução tecnológica do sistema financeiro brasileiro?

FM - O Banese nos últimos anos foi notícia na imprensa local e nacional em virtude de suas ações para ofertar soluções inovadoras de autoatendimento. Em 2015, foi o primeiro banco do país a disponibilizar terminais recicladores da Rede Saque e Pague para fazer depósito online, sem envelope, 24 horas por dia e em qualquer dia da semana, além de outras transações. Em 2016, o Banese também foi o primeiro banco do país a disponibilizar a captura remota de cheques através do canal Internet Banking Pessoa Jurídica, solução digital que permite às empresas depositarem cheques sem sair do escritório. Agora em 2017, o Banese também foi pioneiro em instalar em sua rede de agências caixas eletrônicos recicladores de cédulas para realização de depósitos online, além de diversas transações inovadoras. O banco pretende instalar mais de 70 desses caixas eletrônicos recicladores de cédulas até o final do ano. Essas ações comprovam o avanço tecnológico do Banese, colocando-o em posição de vanguarda perante a concorrência.

 

 

JD – Quais são os principais serviços prestados pelo Banese ao empresariado sergipano?

FM - Para ajudar as empresas o Banese disponibiliza um amplo portfólio de soluções para o público Pessoa Jurídica, que vai desde operações de crédito a soluções inovadoras de autoatendimento.

 

JD – Qual o perfil dos correntistas do Banese? O banco é mais reservado ao funcionalismo público?

FM - O Banese é um banco bastante diversificado, que além de manter a preferência dos servidores públicos do Estado e dos municípios, possui clientes autônomos, empregados de empresas privadas, profissionais liberais e de outros segmentos.

A busca da excelência na geração de valor para os clientes é um dos principais fundamentos da visão estratégica do banco, que encerrou o ano de 2016 com cerca de 570 mil clientes ativos, sendo 95% pessoas físicas e 5% pessoas jurídicas.

 

JD – Quais são as principais metas do Banese para 2017? O senhor acha que a economia brasileira pode ajudar?

FM - Em 2017, o Banese continuará com o objetivo de inovar em soluções que visem satisfazer a necessidade de sua clientela e garantir a sua liderança de mercado e preferência da sociedade sergipana. Estamos bastante confiantes na recuperação econômica do país, tanto que projetamos crescimento de cerca de 8,5% de nossa carteira de crédito total, que inclui o crédito comercial e de desenvolvimento (industrial, imobiliário e rural).

 

JD – O senhor acredita que o Governo do Estado venha a incluir o Banese no programa de privatização que vem sendo proposto pelo governo federal?

FM - O Banese, conforme os resultados que apresentamos, é uma instituição sólida e rentável, sendo motivo de orgulho para todos os sergipanos. Nosso acionista majoritário, o Governo do Estado, já declarou, por diversas vezes, que não possui nenhuma intenção em privatizar o Banese, e prova disso é que o governador Jackson Barreto tem nos apoiado e contribuído para o fortalecimento e crescimento da nossa empresa.

 

Fernando-mota banese

O presidente do Banese, Fernando Mota

Luis Mendonça

 

 

Fernando grupo

O presidente do Banese comemorou os resultados obtidos pelo banco em 2016 durante um grande encontro dos funcionários da instituição no Teatro Tobias Barreto

Filippe Araújo