Ministério da Saúde não registrou casos de febre amarela em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/03/2017 às 00:51:00

 

Diante da confirmação de 326 casos de febre amarela no Brasil até o último dia 24 de fevereiro, a população aracajuana temeu a infestação na cidade. A intensa procura por vacinas foi a confirmação disso e a Prefeitura Municipal trabalha divulgando informações que acalmam a população quanto ao vírus. De acordo com dados do Ministério da Saúde, em Aracaju não há nenhuma notificação da doença até o momento. Consequentemente, não possui recomendação para vacina na cidade, assim como em nenhum outro município do estado de Sergipe.

Taíse Cavalcante, diretora de Vigilância em Saúde e coordenadora do Programa Municipal de Controle da Dengue, explica que no momento o vírus está restrito a áreas rurais e florestais, que não é o caso de Aracaju. “Precisamos ressaltar ainda que a febre amarela está sendo transmitida pelo mosquito silvestre e não pelo Aedes aegypti. O receio que temos no Brasil é que a doença seja urbanizada, ou seja, comece a ocorrer casos em áreas urbanas através de alguém que chegue doente na cidade e faça com que o Aedes passe a transmitir. Esse é um dos motivos que nos fazem redobrar os cuidados contra a proliferação do mosquito”, esclarece.

É por conta desse receio que a busca pela vacinação aumentou na capital. Mas, apesar de ser considerada uma das vacinas mais eficazes e seguras, o médico infectologista Thiago Mendes alerta a população para os riscos da vacina que, no momento, requer mais atenção. “O vírus contido na vacina, apesar de atenuado, pode causar um quadro de febre amarela vacinal. Geralmente desenvolve um quadro leve, mas se acometer uma pessoa imunodeprimida pode gerar um quadro grave, levando a óbito, assim como a doença. Ou seja, não é uma vacina simples, ela pode gerar sérias consequências”, adverte o doutor.

Segundo o Ministério da Saúde, devem se vacinar as pessoas que vão viajar ou vivem nas regiões que estão registrando casos da doença: leste de Minas Gerais, oeste do Espírito Santo, noroeste do Rio de Janeiro, oeste da Bahia e algumas cidades de São Paulo. Os viajantes devem receber a vacina pelo menos dez dias antes da partida, que é o tempo que a vacina leva para criar anticorpos e a pessoa estar devidamente protegida.

As Unidades Básicas de Saúde de Aracaju recebem 1.500 doses da vacina mensalmente com o objetivo de imunizar as pessoas que vão viajar para áreas de risco da doença ou aquelas que vão para o exterior, devido à obrigatoriedade da proteção em alguns países. “Com a busca desenfreada dos aracajuanos pela vacina, estamos solicitando comprovação de viagem. Muitas pessoas estão indo se imunizar mesmo sem necessidade e colocando em risco o estoque que temos disponível para quem realmente precisa. Esse estoque é a garantia dos viajantes”, afirma Taíse.

Para mais informações, os cidadãos podem entrar em contato com a Ouvidoria da SMS através do número 156, do e-mail saude.ouvidoria@aracaju.se.gov.br ou presencialmente, na rua Sergipe, nº 1310, bairro Siqueira Campos.