Vigilantes de dois fóruns têm as armas roubadas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 10/03/2017 às 00:10:00

Nem mesmo os seguranças de fóruns do Poder Judiciário estão livres da ação dos bandidos. Ontem de manhã, dois vigilantes foram assaltados no Fórum Gumercindo Bessa, em Aracaju, e na Vara do Trabalho de Propriá (Baixo São Francisco). Nos dois casos, eles foram rendidos em suas próprias guaritas e tiveram roubados os seus respectivos revólveres calibre 38. Os assaltos foram confirmados pelo Sindicato dos Vigilantes de Sergipe (Sindivigilantes), que pretende pedir providências ao Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) e ao Tribunal Regional do Trabalho da 20ª Região (TRT-20).

O caso do Gumercindo Bessa aconteceu por volta das 10h15, quando um homem chegou de bicicleta à guarita do estacionamento, cuja entrada fica nos fundos do fórum e é afastada da parte principal do prédio. O criminoso se passou por uma pessoa que estava perdida, pedindo informações ao vigilante. Depois de receber a resposta, ele entrou no estacionamento, mas foi por trás da guarita e colocou uma arma na cabeça do funcionário, mandando que ele deitasse no chão. Em seguida, ele pegou o revólver e o celular da vítima. O criminoso fugiu rápido do local, pedalando por um matagal, em direção ao bairro Veneza (zona oeste).

Já em Propriá, o assalto ocorreu por volta das 7h40, antes da abertura do expediente da Vara do Trabalho, quando ainda não havia movimentação de pessoas. Um único homem, também armado e de bicicleta, aproximou-se por trás da guarita da entrada principal do fórum. Depois de render o vigilante, sem dar qualquer chance de reação, ele fugiu levando a arma dele. “O que nos surpreende é que essas guaritas situadas na porta têm um acesso que facilita o acesso aos meliantes, porque há uma área grande, que tira a atenção do vigilante e muitas vezes ele não tem um parceiro para lhe cobrir”, disse Genilson Pereira, diretor do Sindivigilantes.

O representante da categoria disse também que muitos vigilantes trabalham sozinhos em seus postos e acabam acumulando funções de atendimento e controle de acesso nas empresas e repartições, deixando-os mais vulneráveis à ação de marginais. “Não tem a mínima de um profissional de segurança trabalhar dessa forma e ainda mais sozinho. Em segurança, trabalha-se em equipe ou em dupla. É preciso que um companheiro dê cobertura e visualize o trabalho do outro. Infelizmente, não existe um plano de segurança privada que obrigue os contratantes a aumentar o quadro de vigilantes”, afirma Pereira.

A Polícia Militar foi acionada para atender às duas ocorrências e fizeram buscas pelos assaltantes, mas nenhum suspeito foi preso. Os casos foram respectivamente registrados na 8ª Delegacia Metropolitana (8ª DM) e na Delegacia Regional de Propriá, que já iniciaram as investigações. A assessoria do TJSE confirmou a ocorrência em Aracaju e disse que a Diretoria de Segurança do órgão “apura os fatos e tomará as providências necessárias”. O TRT-20, por sua vez, deve se manifestar hoje sobre o incidente de Propriá. (Gabriel Damásio)

 

SSP fornece 37 pistolas aos policiais do TJSE

 

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) formalizou ontem a cessão e acautelamento de 37 pistolas semiautomáticas calibre .40 a policiais e bombeiros lotados na segurança do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE). A entrega aconteceu na sede da Academia de Polícia Civil (Acadepol), com as presenças do secretário João Batista Santos Junior e do presidente do TJ, desembargador Cezário Siqueira Neto. Em seguida, aconteceu um exercício prático de manuseio e emprego de arma de fogo.

O acautelamento das novas armas é fruto de uma parceria entre o TJSE e a SSP. Segundo o desembargador, a parceria é uma integração entre os poderes. “Agora os nossos policiais terão um armamento adequado para proteger o cidadão que procura os serviços do Judiciário e também nossos magistrados e servidores”, ponderou Cezário.

O diretor de Segurança do TJSE, delegado Flávio Albuquerque, destacou que o acautelamento das pistolas está sendo realizado pelo Departamento de Fiscalização de Armas e Produtos Controlados da Polícia Civil. “Essa parceria é importante no sentido de modernizar o poder bélico do TJSE com armas mais modernas, com o objetivo de melhorar as condições de segurança para o serviço dos nossos agentes, dando maior tranquilidade para quem se dirige aos fóruns, servidores e magistrados”, explicou.