Líder do governo critica tentativa de instalação de CPI do Lixo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/03/2017 às 00:53:00

O líder do governo municipal na Câmara de Aracaju, vereador Antônio Bittencourt (PCdoB), avalia que a tentativa de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a contratação das empresas de limpeza pública tem natureza exclusivamente político-eleitoral e atende a uma “agenda oculta” de uma parte da oposição que não se conforma com a derrota nas urnas no último pleito. Para ele, a explanação do presidente da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), Mendonça Prado, na Câmara, na última quinta-feira (9), dirimiu todas as questões relacionadas ao tema.

“É preciso entender que uma CPI é algo extremo no processo legislativo. Deve existir para situações em que se evidencie malversação de recursos públicos e dolo na relação com a questão pública, mas não é esta a nossa realidade. Estamos muito distantes de qualquer coisa desta natureza. Portanto, a pretensão de uma CPI sobre este tema é completamente de natureza política. Banaliza-se um dispositivo de uma importância tamanha, que é a CPI, para atender a interesses de natureza política local em favor de grupos que nem sempre estão exclusivamente dentro da Câmara”, afirmou.

Para Bittencourt, este grupo que tem instigado a CPI “ainda se contorce das dores que sofreu com a derrota eleitoral de 2016” e atua com o intuito de inviabilizar a administração municipal. “Primeiro, eles fizeram isso construindo uma chapa para a eleição da Mesa Diretora da Câmara. Não obtiveram sucesso. Agora, toda a ação deste mesmo grupo, liderado por essas lideranças que perderam a eleição, caminha na perspectiva de inviabilizar a administração de Aracaju, o que é, na minha avaliação, um comportamento político completamente equivocado”, ressaltou.

Bittencourt pondera que, entre os vereadores que assinaram o requerimento da comissão de inquérito há “pessoas bem intencionadas, que talvez não compreenderam, em profundidade, o sentido que está colocado nela”, que é o de “dar visibilidade exclusivamente política a setores A ou B que caminharão durante estes quatro anos em favor da construção de ações para inviabilizar a gestão”.

O problema- Bittencourt diz também que a prefeitura não está fugindo da ideia de que há um problema que precisa ser solucionado no que diz respeito à coleta regular do lixo em Aracaju. Ele destaca que “a gestão está tratando com todos os esforços, fundada na construção técnica e jurídica correta, para resolver este problema”.

Entretanto, o vereador faz algumas ressalvas: “A grande questão é que existe um passivo absurdo de descuido com esta cidade, que nós herdamos. Ao mesmo tempo, a população está muito ansiosa, justificadamente, para que haja uma resolução. Estamos empenhados nisso. Por fim, a Emsurb já deixou claro que, sobre as questões que foram colocadas, sob o ponto de vista jurídico, e que implicaram em ações judiciais, não existiu qualquer descuido ou qualquer ação propositada em desrespeito à Justiça”.